Polícia Civil estoura fábrica clandestina de álcool em Nilópolis

Segundo a especializada, o local estocava cerca de 30 mil litros de álcool em uma área residencial

Por O Dia

Polícia Civil estoura fábrica irregular de álcool em Nilópolis
Polícia Civil estoura fábrica irregular de álcool em Nilópolis -
Rio - Policiais da 57ª DP (Nilópolis) estouraram, na noite desta segunda-feira, uma fábrica clandestina de álcool, no centro de Nilópolis, na Baixada Fluminense. Segundo a especializada, foram apreendidos cerca de 15 mil litros de álcool 96% e 800 litros de álcool em gel. A ação realizada por agentes da Civil faz parte do trabalho de investigação e monitoramento para apurar crimes relacionados a pandemia do coronavírus.
Ainda de acordo com a Polícia Civil, a investigação apurou que o local estocava 30 mil litros de álcool em uma área residencial, colocando a população do entorno em risco de eventuais explosões ou incêndios. Além disso, os agentes informaram que a fábrica clandestina não tinha condições para produzir produtos inflamáveis e não possuía autorização dos órgãos competentes.

Galeria de Fotos

Polícia Civil estoura fábrica irregular de álcool em Nilópolis Divulgação / Polícia Civil
Polícia Civil estoura fábrica irregular de álcool em Nilópolis Divulgação / Polícia Civil
Polícia Civil estoura fábrica irregular de álcool em Nilópolis Divulgação / Polícia Civil
Foram encontrados produtos armazenados de forma inadequada e todos os funcionários estavam sem equipamento pessoal de proteção. Um responsável pelo laboratório da fábrica alegou ao policiais que a empresa era do ramo de cosméticos, mas devido a pandemia passou a fabricar e comercializar álcool 70 e álcool em gel, visando aumentar os lucros.

No local, equipes da unidade localizaram ainda extensões elétricas, botijões de gás e disjuntores expostos próximos aos produtos inflamáveis. Segundo a polícia, foi determinada a interdição do local e apreensão de todos os produtos. Os responsáveis pelo estabelecimento não foram encontrados, mas vão responder pelos crimes contra economia popular e contra a saúde pública.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro