Em São Paulo, Doria fala em reabertura gradual

Governador deve anunciar hoje medidas de flexibilização da quarentena a partir de 11 de maio, começando com comércios de rua

Por

Inicialmente, João Doria havia determinado que o término da quarentena, iniciada em 24 de março, ocorresse no dia 22 de abril. Depois, adiou para 10 de maio. Agora, quer começar a abertura gradual
Inicialmente, João Doria havia determinado que o término da quarentena, iniciada em 24 de março, ocorresse no dia 22 de abril. Depois, adiou para 10 de maio. Agora, quer começar a abertura gradual -

O governo paulista deve dar uma definição hoje sobre medidas de reabertura gradual da atividade econômica, que esteve paralisada desde o dia 24 de março, quando a quarentena foi oficialmente instituída nos 645 municípios do estado.

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o governador João Doria (PSDB), afirmou que a flexibilização da quarentena deve ocorrer após 11 de maio.

"A reabertura levará em consideração diversos fatores como disseminação da epidemia, situação do sistema de saúde e distanciamento social. Todas as medidas estarão alinhadas com o Comitê de Saúde do Centro de Contingência do Coronavírus", disse Doria.

No dia 6 de abril, quando o governo de São Paulo prorrogou a quarentena no estado para até 10 de maio, Doria declarou que um possível relaxamento seria baseado em critérios técnicos.

"Para reabrir o comércio e os serviços precisamos ter o sistema de saúde também em condições de atendimento para salvar vidas. Aqui não tomamos medidas irresponsáveis, precipitadas ou baseadas no achismo ou ideologia", disse o governador.

PREOCUPAÇÃO

Para infectologistas, ainda é preciso cautela. O secretário municipal da Saúde na capital afirma que a Grande São Paulo ainda precisa do isolamento. De acordo com projeções para os próximos 60 dias feitas pelo Centro de Contingência Covid-19/SP, se o isolamento social cair para 30%, serão necessários 35,6 mil leitos de enfermaria e mais 10,1 mil de terapia intensiva. Com um isolamento considerado ideal, de 70%, esses números caem para apenas 1.710 e 410, respectivamente. O estado registra 1.093 mortes pelo novo coronavírus e mais de 15 mil casos confirmados.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro