Descarte irregular: risco à saúde

Máscaras descartadas

Por O Dia

De uso obrigatório na cidade do Rio desde o último dia 18, as máscaras de proteção ao contágio pelo novo coronavírus podem se tornar vilãs no combate à doença se não forem descartadas corretamente. Durante a semana, a reportagem de O DIA flagrou, na Zona Oeste, diversas máscaras e luvas descartáveis em locais inapropriados.

Os equipamentos foram vistos no entorno das Unidades de Pronto Atendimento (UPA) de Bangu e Realengo, Maternidade Leila Diniz e Coordenação Emergencial Regional (CER) da Barra, e próximos ao Hospital Municipal Lourenço Jorge. De acordo com o virologista do Instituto Brasileiro de Medicina de Reabilitação (IBMR), Raphael Rangel, a Covid-19 pode se disseminar através do descarte irregular. "Ainda mais se as pessoas estiveram infectadas", diz Rangel.

A Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) afirmou que todos os garis usam Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), que inclui luvas, e tiveram a adesão de máscaras por conta da pandemia. Os sacos de lixo não são abertos pelos garis.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde informou que as coordenações das UPAs de Bangu e Realengo orientam os profissionais sobre o uso e descarte adequados dos EPIs. Pacientes que recebem alta também são informados sobre como devem manusear e descartar o material.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro