Covid-19 é mais letal em Duque de Caxias, aponta estudo

O município da Baixada Fluminense apresenta a evolução mais rápida no número de mortes por 100 mil habitantes no estado

Por Danillo Pedrosa

Em Caxias, moradores resistem às recomendações de isolamento social e preocupam autoridades de saúde. Taxa de letalidade é de quase 18%
Em Caxias, moradores resistem às recomendações de isolamento social e preocupam autoridades de saúde. Taxa de letalidade é de quase 18% -
A pandemia do novo coronavírus se alastra cada vez mais rápido pelo estado, que soma 921 mortes e mais de 10 mil casos pela covid-19, e a situação de Duque de Caxias é ainda mais preocupante. Dados da área de epidemiologia e estatística da Universidade Federal Fluminense (UFF) mostram que o município da Baixada Fluminense é o que vê o número de óbitos a cada 100 mil habitantes evoluir mais rapidamente.
O estudo leva em conta o total de mortes pela covid-19 registrados a partir do primeiro caso confirmado por cada município. Nesse cenário, Mesquita também se destaca negativamente, apesar de ter apenas 13 mortes confirmadas. Nova Iguaçu e Itaboraí também preocupam, com evolução superior à capital do estado.
Evolução da taxa de letalidade por 100 mil habitantes a partir da primeira morte confirmada - Divulgação/UFF
Além da velocidade com a qual acumula óbitos, Duque de Caxias apresenta a maior taxa de letalidade (número de óbitos por casos confirmados) entre os municípios analisados (17,72%), seguido por Nova Iguaçu (9,41%), São João de Meriti (9,29%), Rio de Janeiro (9,06%), São Gonçalo (8,80%) e Mesquita (8,44%). Niterói (7,27%), Belford Roxo (6,06%), Volta Redonda (4,31%) e Itaboraí (4,23%) completam a lista. Os dados são referentes à última quinta-feira.
Wilson Calmon, professor do departamento de estatística da UFF, levantou hipóteses sobre a diferença nas taxas de alguns municípios: "A capacidade do sistema de saúde e questão do desrespeito ao isolamento, que faz a epidemia evoluir de forma mais rápida e dá  menos tempo para o sistema de saúde reagir. Nos municípios em que a subnotificação é maior, a taxa de letalidade pode ser maior também".

Niterói eficaz na contenção

Segundo município a registrar um óbito pela covid-19 no estado, Niterói tem se mostrado eficaz na contenção ao novo coronavírus, em comparação com os demais da pesquisa. A rápida ação da Prefeitura em promover o isolamento social pode ter sido determinante.
Muito se credita ao esforço da Prefeitura em manter a política de isolamento. Além de baixar decretos, ela tem feito tudo para manter esse isolamento na prática", destaca Wilson Calmon, da UFF.
O isolamento em Niterói ainda foi estendido até o dia 15 de maio. "Essas próximas duas semanas serão determinantes para vencermos essa batalha", alerta o prefeito Rodrigo Neves (PDT).

Caxias ganhará mais leitos de CTI

Diante de dados alarmantes, a prefeitura de Duque de Caxias se movimenta para minimizar os efeitos da pandemia. O secretário municipal de saúde e defesa civil, José Carlos de Oliveira, promete aumentar o número de leitos em 50% nas próximas duas semanas.
"Vou inaugurar domingo, no antigo hospital São José, cerca de 100 leitos de CTI, a nível de grandes hospitais particulares. No hospital Moacyr do Carmo, serão mais 56 leitos de CTI", afirma o secretário. Atualmente, todos os leitos do município estão ocupados, majoritariamente por pacientes com covid-19.
Sobre a alta taxa de letalidade, ele credita a estatística à grande demanda de pacientes de outros municípios. "Tenho 35% de atendimentos fora do município. As mortes constam como em Caxias. Não estou reclamando, podem vir para cá", disse José Carlos, que admite a falta de controle sobre o isolamento social: "Com esses 600 reais, não tem quem bote o povo dentro de casa. Como vamos fazer o pessoal sair da fila do banco?".

Galeria de Fotos

Em Caxias, moradores resistem às recomendações de isolamento social e preocupam autoridades de saúde. Taxa de letalidade é de quase 18% Gilvan de Souza
Evolução da taxa de letalidade por 100 mil habitantes a partir da primeira morte confirmada Divulgação/UFF

Comentários