MPF solicita informações à Polícia Federal sobre morte do adolescente João Pedro

Órgão pede que investigue possível ocultação de cadáver

Por O Dia

João Pedro Pinto tinha 14 anos ao ser morto, na segunda-feira
João Pedro Pinto tinha 14 anos ao ser morto, na segunda-feira -
Rio - A Polícia Federal recebeu um pedido para que apresente à Câmara de Controle Externo da Atividade Policial e do Sistema Prisional do Ministério Público Federal (7CCR/MPF) dados sobre a operação realizada nesta segunda-feira, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo. A ação resultou na morte de João Pedro, de 14 anos.
O órgão colegiado também pediu à unidade do MPF no Rio (MPF/RJ) que apure as circunstâncias do crime, inclusive a possibilidade de tentativa de ocultação de cadáver.
A Polícia Federal também terá de apresentar documentos com detalhes da operação policial, além de precisar responder se o adolescente João Pedro foi socorrido ou transportado a alguma unidade de saúde por agentes da corporação. O órgão também demandou a apuração de procedimento interno para averiguar as circunstâncias da morte do jovem.
Pediu ainda uma cópia dos vídeos da operação captados pela Polícia Federal, caso esse material exista; dados sobre a delegacia responsável; objetivos da operação; nomes dos agentes envolvidos e distribuição de tarefas entre as forças de segurança que participaram da operação. A Polícia Federal tem dez dias para responder aos questionamentos.

Já no documento remetido ao MPF no Rio de Janeiro, a 7ª Câmara pede para que a instituição informe o órgão sobre o andamento das eventuais medidas tomadas e pede para que as investigações sejam acompanhadas pelo Ministério Público Federal no estado.
Os documentos são assinados pelo coordenador da 7ª Câmara, subprocurador-geral da República Domingos Sávio da Silveira, e pelo procurador regional da República Marcelo de Figueiredo Freire, membro da 7CCR e coordenador do Grupo de Trabalho Interinstitucional de Defesa da Cidadania.

O crime
João Pedro Mattos Pinto foi morto na segunda-feira durante operação policial no Rio de Janeiro. O corpo do adolescente, atingido por um tiro na barriga, só apareceu no dia seguinte, terça-feira. Parentes relatam que passaram a noite procurando o jovem em hospitais e só o encontraram 17 horas depois, no Instituo Médico Legal (IML).

Comentários