'Estou tenso até agora', diz vocalista do grupo Aglomerou, que teve live invadida pela polícia

Grupo de pagode que se apresentava em casa em Angra dos Reis ganhou mais de 22 mil seguidores no Instagram. Próxima apresentação será domingo, 2 de agosto, às 15h

Por Gabriel Sobreira

Grupo Aglomerou:
Grupo Aglomerou: "Estou tenso até agora", diz o cantor João Victor Costa (à frente) -
Rio - O Grupo Aglomerou ganhou mais de 22 mil (tinham pouco mais de 4 mil) seguidores no Instagram desde que a live deles neste domingo foi invadida por policiais que faziam uma operação em Angra dos Reis. "Estou tenso até agora. Muita gente ligando do Brasil todo e as imagens passando em todo o mundo. Ainda estamos em choque, mas tranquilos. A ficha ainda não caiu", confessa João Victor Costa, vocalista do grupo.
"A quantidade de entrevista, gente ligando, mas o mais importante são as mensagens de solidariedade que estamos recebendo", completa ele, que anuncia a próxima live para domingo, dia 2 de agosto, às 15h. Famosos como Dennis DJ, Gabriel O Pensador e Kevin O Chris já declaram apoio aos artistas.
"Tudo aconteceu muito rápido. Não tinham nem 10 minutos de live, quando percebi o helicóptero se aproximando. Achei que fosse uma ronda de rotina, mas foi chegando cada vez mais perto, mais perto. Daqui a pouco escutamos ‘deita, deita’. Olhei para trás e eles (policiais) sacaram que estavam no lugar errado. Viram a estrutura do evento. A galera da produção falava 'aqui é live beneficente, casa de família'", lembra Costa.
Também formam o grupo Ronan Guimarães (violão e voz), Bruno Santos (banjo), Diego Nascimento (reco-reco) e Denis Tenório (tantan). O quinteto tem mais de 10 anos de estrada, mas em 2017 assumiu o nome Aglomerou. "Temos na nossa raiz o partido alto, fazemos versos de improviso. Na próxima live com certeza vamos fazer alguma referência ao episódio de ontem (domingo)", promete o vocalista.
Vídeos mostram milicianos em casa ao lado de onde ocorria live
A investigação da Polícia Civil sobre os milicianos que estavam em uma festa em Angra dos Reis, na Costa Verde, reuniu vídeos em que os criminosos divulgaram nas redes sociais. Nas imagens, eles estão armados, dançando com as mulheres que foram deixadas para trás quando agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) chegaram ao local, no domingo à tarde. Na chegada da polícia, na casa vizinha, ocorria uma transmissão ao vivo de um show do grupo Aglomerou, que foi interrompida a tiros e com policiais com fuzis correndo no meio dos músicos.
De acordo com os investigadores, alguns milicianos foram identificados como sendo de Curicica. Outra linha de investigação aponta que Wellington Oliveira, o Ecko, estaria no grupo.

Comentários