Wilson Witzel e Edmar Santos, na época em que o oficial da PM ainda integrava o governo - Vera Araújo / Agência O Globo
Wilson Witzel e Edmar Santos, na época em que o oficial da PM ainda integrava o governoVera Araújo / Agência O Globo
Por ESTADÃO CONTEÚDO
Publicado 19/08/2020 14:58 | Atualizado 19/08/2020 15:00
Rio - A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) já tem um plano traçado para o caso de ser obrigada a mudar a composição da comissão especial de impeachment do governador Wilson Witzel (PSC). Após a homologação da delação do ex-secretário da Saúde Edmar Santos, na semana passada, os deputados querem dar celeridade ao processo, que apura suspeita de corrupção na Saúde. O delator teria apresentado provas que poderiam comprometer Witzel, segundo a subprocuradora-geral Lindôra Araujo, responsável pelo caso.
Publicidade

Galeria de Fotos

Alerj Rafael Wallace/Alerj
Governador Wilson Witzel Daniel Castelo Branco
Governador Wilson Witzel Daniel Castelo Branco / Agência O Dia


O procurador-geral da República, Augusto Aras, deve se manifestar até amanhã sobre como deve ser a composição da comissão. Os trabalhos na Alerj foram paralisados por liminar do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, que acatou pedido dos advogados do governador. Eles alegaram que a Assembleia não obedeceu aos critérios de proporcionalidade ao montar a comissão, formada por um deputado de cada partido, somando 25 parlamentares.

Caso a liminar de Toffoli seja derrubada - e a comissão original, mantida -, a estimativa é de que o afastamento de Witzel seja votado em, no máximo, duas semanas. Se um novo colegiado especial tiver de ser formado, a Assembleia já preparou um novo modelo de composição, e o processo seria agilizado por meio de sessões extraordinárias. A nova comissão contaria com 39 deputados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.