Operação prende PM chefe de milícia contratada por Ecko para matar o MC Poze

Áudio mostra o policial contando o plano para sequestrar e executar o cantor; ouça!

Por RAI AQUINO

Igor Ramalho Martins é lotado na UPP São João
Igor Ramalho Martins é lotado na UPP São João -
Rio - Dois PMs foram presos, nesta terça-feira, durante a Operação Total Flex, realizada pela Polícia Civil contra integrantes de uma milícia que age em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Um deles é o líder do grupo paramiliar, o soldado Igor Ramalho Martins, lotado na UPP São João, na Zona Norte da capital. O bando chefiado por Igor chegou a ser contratado por R$ 300 mil pelo miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko, para sequestrar e matar o MC Poze.
Igor chegou a tentar capturar o funkeiro, o esperando próximo à favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, mas não conseguiu pegá-lo; ouça áudio dele contando sobre o plano!
 O outro PM preso hoje foi o soldado Rodrigo Dias Renovato Alonso, também lotado na UPP São João. Uma terceira pessoa foi presa, mas a identificação dela não foi divulgada.
Além das duas prisões, os agentes também apreenderam com os militares seus celulares e diversas armas. Ao todo foram sete mandados de prisão preventiva e 43 mandados de busca e apreensão.
Cinco mandados de prisão foram contra PMs, mas apenas Igor e Rodrigo foram capturados. Os demais continuam foragidos.
Os outros PMs alvos da ação:
. Bruno Cardoso da Silva Oliveira
. Leandro Santos Macedo
. Maurício da Silva Santos
Igor já havia sido preso em março do ano passado pelo mesmo crime. Ele também já foi baleado duas vezes desde que entrou para a Polícia Militar. A primeira vez foi em maio de 2016, durante um patrulhamento de rotina no Complexo do Alemão. A segunda foi em outubro de 2018, em uma tentativa de assalto no Rio Comprido.
Rodrigo também já foi baleado, ferido de raspão na cabeça, em dezembro de 2017. Na ocasião, ele estava fazendo um patrulhamento no Engenho de Dentro, quando trocou tiros com bandidos armados que estavam dentro de um carro.
O soldado Maurício, também lotado na UPP São João, já foi investigado pela Corregedoria da PM por atirar para o alto quando estava de serviço na comunidade, em janeiro do ano passado.
LIGAÇÃO COM ECKO
De acordo com a polícia, o grupo paramilitar chefiado por Igor tem ligação com a milícia de Ecko, a maior do estado e que age principalmente na Zona Oeste da capital e tem ramificações em outros municípios da Região Metropolitana e Baixada.
O grupo do PM também tem ligação com milicianos de Jacarepaguá e com o traficante Edgar Alves de Andrade, o Deco, um dos líderes da facção Comando Vermelho (CV).
ATUAÇÃO
A quadrilha age através de atividades típicas da milícia, como a exploração de sinal clandestino de TV e Internet, extorsões através de um suposto serviço de segurança e roubos.
As investigações para a operação começaram a partir de um assassinato em novembro do ano passado em Nova Iguaçu, quando o corpo da vítima foi encontrado carbonizado em meio a pneus. A partir daí, através de depoimentos, apreensão de armas e prisões, a polícia descobriu a existência da quadrilha.
Além de Ecko e do traficante Doca, o grupo paramilitar conta com a ajuda de outros criminosos para receber informações de pessoas com grande quantia de valor em poder para roubá-las. Eles chegaram a planejar roubar uma idosa que recebeu R$ 150 mil de um seguro de vida.
Ouça o líder do grupo combinando um roubo com os comparsas:
Os crimes praticados pelo bando:
. Homicídio
. Roubo
. Extorsão
. Organização criminosa
. Associação para o tráfico de drogas
. Porte ilegal de arma de fogo
A ação de hoje foi comandada pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), teve o apoio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas (Draco) e contou com cerca de 150 policiais. PMs da Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) também acompanharam o cumprimento dos mandados.
Procurado pelo DIA, a Polícia Militar disse que "enfatiza que, como tem demonstrado ao longo de sua história, não compactua e pune com o máximo rigor os desvios de conduta, quando constatados, cometidos por seus membros".

Galeria de Fotos

Igor Ramalho Martins é lotado na UPP São João Arquivo Pessoal
Cerca de 150 policiais participam da operação Divulgação / Polícia Civil
O PM Igor Ramalho Martins, líder da quadrilha, foi preso na ação Reprodução
Armas apreendidas Divulgação / Polícia Militar
Armas apreendidas Divulgação / Polícia Militar
Igor Ramalho Martins é lotado na UPP São João Arquivo Pessoal
O soldado Maurício da Silva Santos continua foragido Reprodução

Comentários