Geral - Combate ao transporte irregular - Coordenada pela comissao de transporte da Alerj, com apoio do Detro e do Ipem, para coibir o transporte irregular na Rodoviaria do Rio, zona portuaria da cidade, na manha de hoje. Na foto, veiculos apreendidos fazendo transporte irreguar.Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia

Por O Dia
A Comissão de Transporte da Alerj, o Departamento de Transportes Rodoviários do Rio (Detro) e o Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) realizaram na manhã desta quarta-feira uma operação contra o transporte ilegal que atua no entorno da Rodoviária do Rio, na Zona Portuária da cidade. Quatro carros de passeio que trabalhavam com transporte irregular de passageiros foram multados e apreendidos. 
A operação é realizada devido a constantes denúncias do aumento de transportes piratas. De acordo com o deputado estadual Dionísio Lins (Progressista), presidente da Comissão de Transportes, o número de reclamações diária fica entre quatro e cinco, mas em dias de feriados prolongados as reclamações triplicam, principalmente por conta da pandemia da Covid-19, em meio ao aumento de trabalhadores desempregados realizando o serviço irregular. 
Publicidade
A região da Rodoviária do Rio concentra um alto número de transportes sem autorização para fazer viagens de passageiros para outras cidades. Para driblar a fiscalização, a maioria dos motoristas alega que são de aplicativos que oferecem carona solidária. 
"É um absurdo o que vemos diariamente e principalmente nos finais de semana, quando é registrado um aumento no embarque e desembarque de passageiros, de táxis piratas, motoristas particulares e vans ilegais que disputam esses passageiros com as cooperativas cadastradas e legalizadas existentes no local. Eles se aproveitam da falta de conhecimento dos que chegam na cidade e de uma fiscalização forte, para oferecem aos gritos o serviço de transporte. Recebemos a informação de pessoas ligadas a administração da rodoviária que o número de carros particulares e táxis piratas que circulam no entorno da rodoviária é de 40 veículos todos os dias. Esse absurdo precisa ser combatido" disse o deputado estadual Dionísio Lins (Progressista), presidente da Comissão de Transportes.
Publicidade
O taxista Antônio Augusto diz que o trabalho de fiscalização é essencial para impedir o avanço do transporte ilegal. "Isso é importante, proibir o ilegal e facilitar o trabalho de quem está com suas obrigações em dia". 
Robson Lopes, diretor da cooperativa que trabalha com os táxis na saída da rodoviária, reclama da concorrência injusta. "Nós temos vários impostos a serem pagos, enquanto o concorrente não paga nada. Eles só precisam estar com o documento em dia para rodar. Não são autorizados". 
Publicidade
Em 2019, passou de média para gravíssima a multa para o motorista que for flagrado fazendo transporte remunerado irregular, de pessoas ou bens. Cabe a remoção do veículo e perda de 7 pontos na CNH. Para terem de volta seus veículos, os proprietários terão que pagar uma multa no valor R$ 3.627, mais R$ 216, de reboque e R$ 102 de diária.
As denúncias de transportes piratas podem ser realizadas diretamente no canal de reclamação da Comissão de Transporte da Alerj através do e-mail [email protected] Não haverá necessidade de identificação do denunciante.