Manhã movimentada no Centro Municipal de Saúde (CMS) Maria Augusta Estrella, em Vila Isabel, com início da campanha de vacinação para faixa etária a partir de 60 anosSandro Vox/Agência O Dia

Rio - A cidade iniciou, nesta quarta-feira (11), a vacinação com a 2ª dose de reforço contra a covid-19 de idosos com idade a partir de 60 anos. A imunização da faixa etária conclui a campanha do grupo prioritário, mas a adesão ainda está baixa em relação à busca pela primeira dose de reforço. De acordo com dados do Painel Rio Covid-19 da Prefeitura do Rio, até agora foram imunizadas 308.237 idosos; o número representa apenas pouco mais de um quarto do total que recebeu a primeira dose do reforço. Ao todo, 1.125.668 idosos estão imunizados com o 1º reforço.
Segundo o painel, o número é ainda pior quando analisado a faixa etária mais sensível, acima dos 80 anos, em que só 46,1% receberam a dose extra. Com a ampliação da dose de reforço para todos os idosos com idade a partir de 60 anos, a proporção de imunizados deve aumentar. 
A Secretaria Municipal de Saúde faz campanha para que os idosos procurem as unidades de saúde para se vacinar com a segunda dose de reforço. "Toda a melhor idade já pode reforçar a proteção contra a covid-19! Os idosos precisam de uma 2ª dose de reforço do imunizante, que deve ser aplicada, pelo menos, 4 meses depois da 1ª dose de reforço", diz convocação feita pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio (SMS) nas redes sociais.

Segundo a pasta, todos os idosos a partir dos 60 que tomaram a primeira dose de reforço há mais de quatro meses e que não estão com sintomas de gripe podem procurar uma unidade de saúde para se imunizar.

A ampliação da faixa etária fez a fila em algumas unidades ficar longa. No Centro Municipal de Saúde (CMS) Maria Augusta Estrella, em Vila Isabel, Zona Norte do Rio, o número de pacientes foi grande durante toda a manhã.

José de Paula Delgado, de 65 anos, foi um dos idosos a ir na unidade para receber a segunda dose de reforço. Segundo o morador do Grajaú, a vacinação segue importante mesmo que a doença não esteja mais em alta. "É a garantia a vida, a saúde. Até porque eu não perdi ninguém próximo, mas sei de pessoas próximas que perderam. Então ficar protegidos contra esse vírus é o mínimo que podemos fazer", comentou o idoso, que trabalha como zelador.

O diácono da Igreja Basílica Nossa Senhora de Lourdes, em Vila Isabel, Paulo Roberto Oliveira, de 68 anos, também procurou a unidade para se imunizar contra a covid-19. Ele também falou sobre a importância do ato: "É dever de todos".