Prefeitura de Belford Roxo distribui Cadernos de Atividades para alunos da EJA
Prefeitura de Belford Roxo distribui Cadernos de Atividades para alunos da EJARafael Barreto/PMBR
Por O Dia
Rio - A Prefeitura de Belford Roxo iniciou, nesta terça-feira, a distribuição dos Cadernos de Atividades da Educação de Jovens e Adultos (EJA). O material abrange as seguintes matérias: português, ciências, história, geografia, educação física, arte e inglês. Todas as unidades escolares da cidade receberão o material. No total, serão 4.562 estudantes beneficiados com os Cadernos de Atividades, distribuídos em 19 escolas.
O secretário municipal de Educação, Denis Macedo, acentuou que há algum tempo a EJA não era contemplada com material impresso adequado. Ele acentuou que os Cadernos são itens importantes nos estudos dos alunos. “Sei que muitos estudantes têm dificuldade para acessar a internet por uma série de fatores. Os Cadernos farão com que eles mantenham o foco nos estudos e consigam tirar o melhor proveito possível”, concluiu o secretário.
Publicidade
A chefe de Divisão de Ensino de Jovens e Adultos, Thatiana Barbosa, destacou que os Cadernos de Atividades da EJA foram elaborados com a contribuição de um grupo de professores das escolas municipais Professora Maria Lúcia Sindra, Alejandro Fernandez Nuñez e Pastor Rubens de Castro. Os trabalhos contaram com a colaboração da equipe da Divisão de Educação de Jovens e Adultos da Secretaria Municipal de Educação.
“Dezenove escolas da rede atendem à modalidade EJA. Os Cadernos de Atividades irão ajuda muito aso alunos, pois, por causa da pandemia, temos de conviver com um novo normal, que incluiu a tecnologia”, finalizou, destacando que as seguintes escolas municipais oferecem Educação de Jovens e Adultos: Alejandro Fernandez Nunez, Casemiro Meireles, Ernesto Pinheiro, Heliópolis, Jardim Glaucia, Jorge Ayres, José Pinto, Manoel Gomes, Miguel Ângelo Leone, Nossa Senhora de Fátima, Maria Lúcia Sindra, Professor Paris, Rudá Iguatemi, São Bento, Santa Cruz, Pastor Rubens, Alcides Freitas e Imaculada Conceição.
Publicidade
De acordo com a secretária Especial de Assuntos Pedagógicos, Rosangela Garcia, a pandemia causou uma série de dificuldades a alunos e professores, que tiveram que se adaptar ao novo normal. “A Secretaria Municipal de Educação elaborou as atividades impressas em forma de apostilas para minimizar os impactos negativos nos processos de ensino e aprendizagem dos alunos do Ensino de Jovens e Adultos. Percebemos a dificuldade em organizar as rotinas das atividades em casa e também o grande e uma crescente desmotivação por não terem acesso à tecnologia”, arrematou.
A operadora de caixa Ana Lúcia do Nascimento da Silva Veltri, de 43 anos, que cursa o 9º ano, foi uma das alunas que recebeu os Cadernos de atividades da EJA na Escola Municipal Manoel Gomes, no bairro São Bernardo, em Belford Roxo, na Região Metropolitana do Rio. “A internet para, mas os livros não”.
Publicidade
Jovem sonha com a carreira militar
Aluno do 6º ano da EJA na Escola Municipal Manoel Gomes, Jeremias Souza Alves, de 16 anos, tem o sonho de ser militar. Ele iniciou no ano passado buscando recuperar o tempo que deixou passar por ter que ajudar à mãe e por problemas de saúde.
Publicidade
Com problemas de diabetes, o aluno, morador do bairro Barro Vermelho, ficou muito tempo internado por causa da doença e perdeu tempo. “O que passou, passou. Vou me recuperar e estudar muito para ser militar. Nunca é tarde”, sentencia Jeremias. “Ele é esforçado e dou muita força para estudar. Cada dia que passa vejo que meu filho está aprendendo mais”, frisou Luana de Souza Alves, 46, mãe de Jeremias.
Aos 43 anos, a operadora de caixa Ana Lúcia do Nascimento da Silva Veltri, revelou que voltou a estudar para conseguir disputar uma vaga no mercado de trabalho. Aluna do 9º ano, ela destacou que os Cadernos de Atividades da EJA facilitarão seus estudos. “A internet falha muitas vezes, mas os livros não falham. Estou me esforçando para concluir o ensino fundamental e continuar estudando. Meu marido e meus três filhos me dão maior força. Com o diploma já é difícil, sem fica pior ainda. Os professores também são muito bons e compreensivos”, encerrou.