Atendimento gratuito na clínica-escola de veterinária do Unifeso para animais de famílias em situação de vulnerabilidade em TeresópolisDivulgação

Além de cumprir a função para a qual foi criada, em suas ações de rotina a Coordenadoria de Proteção e Bem-estar Animal (COPBEA) de Teresópolis também encaminha famílias em situação de vulnerabilidade para atendimento social. O objetivo é garantir que os tutores legais sejam auxiliados pelo poder público e tenham condição de cuidar de seus animais de estimação, evitando o abandono.

“Temos um olhar diferenciado ao apurar denúncias de maus-tratos, pois muitas vezes encontramos tutores legais passando por dificuldades extremas, o que compromete o sustento de toda a família e dos seus pets. Nesses casos, orientamos para que procurem o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) mais próximo, para serem inscritos no Cadastro Único de programas sociais, e tentamos ajudar os donos a cumprirem sua responsabilidade com os seus bichos. Tentamos ajudar no cumprimento das exigências dentro do prazo, como apresentação de atestado de médico veterinário sobre o estado de saúde dos animais, a vacinação contra raiva e viroses e a vermifugação”, explica Jackson Muci, coordenador da COPBEA.

Segundo Jackson, a situação muda quando, durante a verificação de denúncia, é identificado que os tutores legais têm condição, mas não cuidam dos seus bichos. “Quando percebemos que a pessoa está bem financeira e emocionalmente e o pet está maltratado por desleixo ou descaso, o bicho é apreendido e o tutor, que é responsável pela segurança e o bem-estar dele, fica como fiel depositário. Se o pet sumir ou vir a óbito, o dono terá que prestar contas, inclusive com laudo da causa da morte. Caso as exigências não sejam cumpridas, o caso é levado a 110ª DP e o responsável responderá a inquérito policial por maus tratos”, Jackson alerta.

Na última quarta-feira (25/08), a COPBEA acompanhou o atendimento dos 4 cães do Morro dos Pinheiros que foram alvo de ação na última terça-feira (24/08), para verificar denúncia de que supostamente estariam sem comida. Atendidos na clínica-escola de veterinária do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Unifeso), os animais foram examinados, receberam laudo de que estavam espertos e com mucosas coradas. Foi coletado sangue para exames de anemia e doença do carrapato. Os donos receberam prazo de 15 dias para providenciar a vacinação e vermifugação dos bichos e disseram que têm interesse em doar os animais.

Pela Lei Municipal 4.044/2021, que cria o Código Municipal de Proteção e Bem-Estar Animal de Teresópolis, entre os deveres dos proprietários de animais domésticos estão: assegurar espaço adequado e dentro de sua propriedade, com abrigo coberto, seguro, com acesso ao sol e área para livre circulação; manter a higiene dos animais e a limpeza diária dos ambientes; oferecer água fresca e limpa, alimentação de qualidade e em quantidade compatível com a espécie; manter em dia a vacinação e vermifugação; realizar o controle reprodutivo, entre outras.

São considerados maus tratos e crueldade animal: privação de alimento e água; confinamento inadequado à espécie; abandono em vias públicas ou em residências fechadas ou inabitadas; agressões diretas ou indiretas de qualquer tipo, tais como espancamento; uso de instrumentos cortantes; uso de substâncias químicas, escaldantes, tóxicas ou venenosas; fogo; uso para trabalho excessivo, inadequado ou incompatível com a espécie ou ao tamanho do animal; torturas; lutas ou confrontos; castigos físicos.

Os proprietários que descumprirem as recomendações serão intimados para regularizar a situação no prazo de 15 dias, podendo ser prorrogáveis por mais 15 (quinze) dias; ultrapassado o prazo e persistindo a irregularidade, receberão multa no valor de 500 UFIRS, que será acrescida de 50% a cada reincidência.

Denúncias e pedidos de fiscalização podem ser feitas à Ouvidoria Geral do Município pelos telefones 162 e (21) 2742-5074, pelo whatsapp (21) 98126-4038, pelo e-mail [email protected] e também pelo aplicativo e-Ouve. Todas serão encaminhadas à Coordenadoria de Proteção e Bem-estar Animal.
Você pode gostar
Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor.