Vacina infantil tem uma concentração menor de antígenosDivulgação

Já tem bafafá no forno para o retorno das atividades parlamentares na Carioca. O deputado Flávio Serafini (PSOL) aproveitou a interrupção do recesso para a análise um veto do governador, e protocolou o PL 5283/2022, que prevê a obrigatoriedade do passaporte vacinal na rede estadual e particular de ensino, tanto no ato da matrícula como para frequentar às aulas.
Vale lembrar que a Assembleia Legislativa do Rio já foi palco de embates para lá de acalorados sobre as vacinas: em dezembro, manifestantes tentaram invadir o prédio, quando o plenário discutia um projeto proibindo a "discriminação" de quem se recusa a se imunizar contra o coronavírus.
"Não podemos permitir que as escolas se tornem polos de transmissão da doença", diz o autor, que preside a Comissão de Educação. Desde o início da pandemia, 2.625 crianças e adolescentes morreram de Covid no país. 
O psolista não foi o único a aproveitar a ocasião: Gustavo Tutuca, que retomou o mandato por apenas um dia, ficou no setor de sua atuação como secretário, protocolando dois PLs na área de Turismo.
O estreante Jari Oliveira (PSB) também deixou sua marca, e apresentou seu primeiro projeto.
 
Você pode gostar
Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor.