Depois de Cabral, deputados da CPI do Rioprevidência querem ouvir Pezão

Depoimento prestado por Sérgio Cabral na terça-feira levou integrantes da comissão a estudarem convocação do seu sucessor

Por PALOMA SAVEDRA

Operação Delaware foi concretizada no governo de Luiz Fernando Pezão, em 2014
Operação Delaware foi concretizada no governo de Luiz Fernando Pezão, em 2014 -
Depois de ouvirem na terça-feira o ex-governador Sérgio Cabral, os integrantes da CPI do Rioprevidência vão discutir hoje a convocação do também ex-chefe do Executivo do Rio, Luiz Fernando Pezão, para audiência da comissão. Cabral e Pezão estão presos pela Lava Jato.
O foco dos trabalhos do presidente da CPI, deputado Flávio Serafini (Psol), e dos demais parlamentares do grupo é a Operação Delaware, realizada em 2014 pela autarquia para a antecipação de receitas de royalties, no valor de R$ 9,3 bilhões.
E as declarações dadas por Cabral na última terça-feira levaram os parlamentares da comissão a estudarem a convocação de Pezão.
Segundo Serafini, Sérgio Cabral responsabilizou o seu sucessor e os técnicos do Estado do Rio pela transação financeira. 
Ação popular
A comissão vai analisar também a ideia de mover uma ação popular contra essa transação financeira, mais especificamente em relação aos contratos firmados com a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil (que participaram da operação).
"Há irregularidades no contrato com a Caixa e o Banco do Brasil (que participaram da operação). Vamos ver se conseguimos mover uma ação relativa somente aos contratos com esses bancos, pois há preocupação de se questionar o contrato inteiro e isso acabar gerando uma punição ao estado", disse Serafini.
O parlamentar acrescentou que "o contrato é muito desequilibrado" e, por isso, a possibilidade de apresentar uma ação tem que ser muito bem pensada.
"As cláusulas preveem uma série de punições ao estado, e a gente obviamente não quer acabar criando um problema. É uma questão complexa juridicamente, e vamos discutir isso melhor", afirmou Serafini.
O vice-presidente da comissão é o deputado Alexandre Freitas (Novo), e a relatoria é de Waldeck Carneiro (PT). Renata Souza (Psol), Eliomar Coelho (Psol) e Anderson Moraes (PSL) também compõem o grupo.

Comentários