Mais Lidas

Marielle, 'cria' do Parque Esperança

Do futebol nas ruas do Complexo da Maré, na infância, à militância pelo respeito aos direitos nas comunidades

Por O Dia

Marielle Franco
Marielle Franco -

Rio - Socióloga, dançarina de funk, vereadora, mãe. Apesar das diversas facetas de Marielle Franco, assassinada aos 38 anos na quarta-feira, a luta pelas causas sociais fez parte da vida da cria do Complexo da Maré desde a adolescência. A militante da Educação e dos Direitos Humanos tornou-se a quinta mais votada nas eleições para a Câmara em 2016, com mais de 46 mil votos.

Durante a infância, Marielle gostava de brincar nas ruas da comunidade. Bolinha de gude e futebol estavam entre os passatempos preferidos. Vinda de família católica, foi dançarina da Furacão 2000, e era aberta a todas as manifestações religiosas. "A fé dela ia desde o terço até a guia que a mãe de santo fez", contou a amiga Michele Lacerda.

Morou até os 15 anos no Conjunto Esperança. Quando terminou o ensino médio, em 1998, inscreveu-se no pré-vestibular comunitário da Maré, mas três meses depois teve que abandonar o curso devido à gravidez que proporcionou a sua única filha, Luyara, hoje com 19 anos.

Depois da gestação, ela voltou ao curso de pré-vestibular. Nesse momento, um fato marcou definitivamente sua vida. A morte da amiga Jaqueline, vítima de uma bala perdida durante um confronto entre policiais e traficantes na Maré, fez com que Marielle se envolvesse com os grupos que militavam por Direitos Humanos. Em 2002, foi aprovada com bolsa integral no curso de sociologia da PUC, e posteriormente fez mestrado em Administração Pública na UFF com a dissertação "UPP: redução da favela a 3 letras".

Durante sua militância em Direitos Humanos, conheceu o deputado estadual Marcelo Freixo e entrou para a equipe do parlamentar em 2007. Foi assessora atuando em favelas, depois fez parte da Comissão de Direitos Humanos até chegar à coordenação do órgão. "Ela sempre foi muito ligada às questões de comunidades, no dia das crianças do ano passado, por exemplo, presenteou 300 crianças com bolo e refrigerante", lembrou o ativista Pablo Rodrigues, que atuou como líder comunitário na favela de Acari.

Em 2016, após quase dez anos dedicados à militância, se candidatou ao cargo de vereadora pelo Psol e foi saudada como uma esperança de renovação da política na cidade. "Marielle se lançou candidata pela necessidade de mulheres estarem na política, para combater o racismo, para mostrar que uma mulher negra e favelada pode ocupar espaços de poder", explicou o companheiro de partido Tarcísio Motta.

No Carnaval desse ano, Marielle foi uma das criadoras da iniciativa que buscava combater o assédio com o slogan "Não é não". Leques com a frase foram distribuídos em diversos blocos e muitas mulheres pintaram a frase na própria pele. A frase acabou se espalhando pelos blocos do Brasil inteiro.

A vereadora morava há pouco mais de um ano numa vila na Tijuca, com a namorada Mônica Benício e da filha Luyara Santos.

Irmã e filha iriam a evento com Marielle - 5 minutos com Anielle Silva, 33 anos, professora e irmã de Marielle

1. Você encontrou com a Marielle na quarta-feira, dia do assassinato?

Não encontrei. Eu e minha sobrinha (filha da Marielle) íamos para o evento que ela estava, na Lapa. Mas nós duas estamos com conjuntivite desde a semana passada e não conseguimos comparecer.

2. Como está a Luyara (filha da Marielle)?

Muito chocada ainda. Ela não veio ao velório, tem só 20 anos, tá arrasada. Provavelmente agora ela comece a morar comigo. Ela está entrando em uma nova fase da vida, passou para Educação Física esse ano. Graças a Deus, não tem relação nenhuma com política, porque eu não dou conta...

3. A Marielle era a única pessoa da família engajada com causas sociais?

Não, temos uma tia que mora no Nordeste e sempre foi engajada. Mas só a Marielle chegou a um cargo público por causa da política.

4. Como foi a quarta-feira da Marielle?

Falei muito rápido com ela cedo pelo WhatsApp. Não sei como foi o dia, só sei que ela estava com uma bolsa no carro e ia malhar.

5. Alguma autoridade ligou para você?

O presidente Lula me ligou, disse pra não abaixar a cabeça e continuar a luta. Ele pediu pra falar com minha mãe também e citou muitas ações da Marielle.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Seleção vai participar da Copa América,enfrentando Argentina, Chile, Colômbia, Bolívia e Paraguai FOTOS Alexandre Brum / Agencia O Dia
Marielle Franco Divulgação
Irmã de Marielle é agredida verbalmente por apoiadores de Bolsonaro Estefan Radovicz / Agência O Dia

Comentários