Tiro atinge veículo do Exército na Vila Kennedy

Militares procuraram autores do crime, mas nada foi encontrado

Por O Dia

Militares das Forças Armadas em patrulamento na Vila Kennedy
Militares das Forças Armadas em patrulamento na Vila Kennedy -

Rio - Um disparo atingiu um veículo do Exército, na noite desta segunda-feira, na Favela Vila Kennedy, em Bangu, Zona Oeste do Rio. A informação foi confirmada pelo Comando Militar do Leste (CML). Segundo a assessoria do Comando Conjunto, o tiro atingiu o para-brisas de uma viatura do tipo Marruá que estava sendo usada em uma patrulha na comunidade. Ninguém ficou ferido.

Na ocasião, a patrulha identificou que o disparo teria sido provavelmente realizado a partir da região da Serra do Retiro. "O comandante da fração reorganizou o dispositivo e acionou sua reserva, que se deslocou imediatamente para o local, a fim de esclarecer as circunstâncias do possível disparo. Nada foi identificado. As tropas permanecem na escala regular de patrulhamento", informa a nota do CML. Esta não é a primeira vez que bandidos fazem disparos contra os militares. 

Em abril, o porta-voz do CML e do Comando Conjunto de Operações, Carlos Cinelli, confirmou que criminosos atiraram na direção de uma patrulha, e informou que ninguém ficou ferido. "Na passagem pelo suposto local de onde teriam partido disparos, nada foi identificado", informou, em nota.

Laboratório para intervenção

A Vila Kennedy foi a comunidade escolhida como laboratório para as ações da intervenção federal na segurança pública. Apesar disso, o local ainda sofre com a violência. Moradores relatam que, também em abril, duas escolas municipais foram saqueadas e vandalizadas.

A Escola Municipal Cel José Gomes Moreira, na Rua Elmo Corrêa, que fica na localidade conhecida como Malvinas, teria sido invadida e revirada por bandidos, que chegaram a pichar o muro com a sigla de uma facção criminosa. A unidade chegou a suspender as aulas da manhã de ontem, e voltou a funcionar normalmente no período da tarde. Um Centro de Educação Infantil, também municipal, que funciona no mesmo quarteirão, também teria sido invadido. Procurada, a Secretaria Municipal de Educação não se manifestou.

"Isso é uma vergonha, um absurdo. Roubar escola, prejudicar crianças. Não se tem paz em mais lugar nenhum dentro da comunidade", comentou um morador, que prefere não se identificar. Moradores ainda falam que a presença de bandidos nas ruas da Vila Kennedy não diminuiu.

"Logo com a chegada do Exército até houve uma retraída, teve aquela comoção com a revitalização da Praça Miami, os traficantes saíram um pouco de cena. Mas já está tudo como antes", desabafou outro morador, que diz passar frequentemente por homens armados nas ruas próximas de onde mora. Ele também relatou ter ouvido tiros no início da noite de domingo, no início da madrugada de sábado e na tarde de sexta-feira.

Últimas de Rio de Janeiro