Porta-voz da PM anuncia fim da UPP Cidade de Deus

Durante inauguração da Companhia Destacada Vila Kennedy, que deu lugar à Unidade de Polícia Pacificadora, major Ivan Blaz fez anúncio. Praça Seca também terá mesmo modelo de policiamento clássico, focado em operações contra o crime

Por RAFAEL NASCIMENTO

UPP Cidade de Deus vai acabar
UPP Cidade de Deus vai acabar -

Rio - A próxima comunidade que ficará sem Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) será a Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio. O anúncio foi feito na manhã desta terça-feira pelo porta-voz da Polícia Militar, major Ivan Blaz, durante a inauguração da Companhia Destacada da Vila Kennedy, também na Zona Oeste, que deu lugar à UPP local. A data para a extinção ainda não foi divulgada. A Praça Seca também ganhará o modelo de policiamento clássico, com Companhia Destacada, focado em operações de enfrentamento contra o crime. O oficial admitiu falhas no modelo pacificador.

"A Cidade de Deus será a próxima comunidade que passará por esse novo realinhamento. O efetivo da UPP e do batalhão da PM (Jacarepaguá) vão receber um treinamento e será criada uma Companhia Destacada, acabando com a UPP. São objetivos urgentes e necessários a serem feitos, e a PM está fazendo o possível para suprir essa demanda na segurança pública", disse. A comunidade da Mangueirinha, em Duque de Caxias, já está passando pelo mesmo processo para mudar o modelo de policiamento.

A Polícia Militar inaugurou nesta terça-feira a sede da Companhia Destacada da Vila Kennedy, na Zona Oeste do Rio. A companhia está vinculada ao 14º BPM (Bangu) e vai permitir que as ações voltadas para a comunidade sejam espalhadas pela região.

Segundo a PM, a localização, no bairro 13, também vai facilitar o uso rápido do efetivo na área, além de aumentar o patrulhamento na região da Vila Kennedy, Batan e Fumacê. Entretanto, como fica cercada por montanhas, traficantes que atuam na região tem uma visão privilegiada da base.

O porta-voz da Polícia Militar, major Ivan Blaz, explicou que a polícia de proximidade da UPP dará lugar ao modelo clássico de policiamento, focado em operações para combater a criminalidade.

"A diferença clássica é a forma do policiamento. Encerra a relação de polícia de proximidade e retoma as ações policiais na região. A maior demanda nesta comunidade é o combate à criminalidade que atua aqui. É preciso ações mais contundentes contra o crime, pois tinham ações marginais aqui muito próximas da UPP. Hoje teremos suporte operacional do 14º BPM e várias ações serão realizadas", detalhou.

Blaz disse que o modelo de policiamento da UPP falhou, ganhando somente no campo social, que terá esta abordagem mantida com os programas realizados nas regiões "pacificadas". Mas a política de enfrentamento será retomada.

"São questões que precisam ser tratadas no campo operacional e não ideológico. Tem muito trabalho e essas ações precisam ser eficazes. Hoje precisamos retomar esse ar de segurança na Vila Kennedy. O objetivo de pacificar essa região não foi perdido, mas os meios para atingi-los não foram usados, mas agora vão ser", determinou. 

"Os desafios são muitos, a gente observa que, principalmente no combate a criminalidade da região, nós temos situações flagrantes que precisamos combatê-las. A UPP não estava apresentando resultados", sentenciou.

Últimas de Rio de Janeiro