'Há integração entre as polícias no caso Marielle', diz secretário de Segurança

General Richard Nunes disse que o caso é muito complexo e que tinha 'relação com a atuação política dela e do grupo que ela pertencia'

Por Agência Brasil

Secretário de Segurança do Rio, general Richard Nunes
Secretário de Segurança do Rio, general Richard Nunes -

Rio - O secretário estadual de Segurança do Rio de Janeiro, general Richard Nunes, disse nesta terça-feira que a Polícia Federal colabora desde o início com as investigações do caso Marielle Franco, vereadora que foi executada há cinco meses ao lado do motorista Anderson Gomes. Ele lembrou que existe uma integração entre as policiais e que foram os federais que periciaram a munição usada no crime.

“A Policia Federal tem cooperado conosco desde o início, até porque estamos integrados. A própria questão da investigação da munição que foi encontrada, foi colocado um pedido à Polícia Federal, que executou a perícia, temos um diálogo permanente, trabalho permanente, trabalho de inteligência integrado. Desde sempre a Polícia Federal tem participado e cooperado conosco, então não vejo problema nenhum quanto a isso”.

O general disse que o caso é muito complexo e que tinha “relação com a atuação política dela e do grupo que ela pertencia”, decidindo por manter o sigilo desde o início. Nunes afirmou que tem reuniões semanais com a equipe de investigação.

“A Divisão de Homicídio e a Delegacia de Homicídios da capital têm feito um trabalho extraordinário, exaustivo. Da mesma forma que eu presto conta semanalmente ao general Braga Netto [interventor federal na segurança do Rio de Janeiro], semanalmente a Divisão de Homicídios presta conta para mim do avançar dessa investigação”.

Nunes comentou o caso durante o seminário Segurança e Normalidade nas eleições, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), ao responder uma pergunta sobre a oferta feita ontem (13) pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. O ministro colocou a Polícia Federal e o Ministério Público Federal à disposição do Rio de Janeiro para colaborar nas investigações da morte da vereadora e do motorista.

De acordo com o secretário, já foram produzidos nove volumes de investigação e a dificuldade “é inerente à própria maneira como esse crime foi praticado”. “Ninguém aqui faz promessa de prazos e datas, a nossa promessa é trabalho. E eu sou testemunha do trabalho intenso que a equipe que está investigando esse caso tem realizado”, disse o general. 

Galeria de Fotos

Secretário de Segurança do Rio, general Richard Nunes ESTADÃO CONTEÚDO
As execuções da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes completam 9 meses nesta sexta-feira Mário Vasconcellos / Câmara Municipal do Rio

Últimas de Rio de Janeiro