Empresário revela R$ 250 milhões em propina de empresas de ônibus a deputados estaduais

Marcelo Traça Gonçalves contou que valor era pago para evitar que projetos fossem votados na Alerj prejudicando as empresas

Por Agência Brasil

Traça prestou depoimento ao juiz Marcelo Bretas nesta quarta
Traça prestou depoimento ao juiz Marcelo Bretas nesta quarta -

Rio - O volume de dinheiro pago por empresas de ônibus do Rio de Janeiro a deputados estaduais do Rio chegou a R$ 250 milhões em apenas quatro anos. A informação foi passada pelo empresário Marcelo Traça Gonçalves, durante interrogatório realizado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal. A audiência, realizada nesta quarta-feira, é referente à Operação Cadeia Velha.

Traça chegou a ser preso durante um mês, em julho de 2017, durante a Operação Ponto Final, mas acabou beneficiado por decisão expedida pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em agosto. Ele acabou virando colaborador da Justiça.

Na audiência desta quarta, ele contou que era comum terem de pagar propinas milionárias para evitar que projetos fossem votados na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) prejudicando as empresas de ônibus e também para que elas não sofressem multas por descumprimento de horários ou outras irregularidades.

Outro motivo alegado por Traça para o pagamento de propina era garantir que o governo reprimisse o transporte clandestino, principalmente de vans, que concorriam ilegalmente com as linhas de ônibus.

O empresário chegou a ser preso em julho de 2017 - Divulgação / PRF

Pagamentos ativos mesmo com a Lava Jato

Segundo Traça, o total de propina paga pelas empresas por meio da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) poderia ser até ligeiramente superior aos R$ 250 milhões, contabilizados apenas entre 2013 e 2016. Ele contou que, mesmo com a Operação Lava Jato em curso, os pagamentos de propina continuaram.

Antes de Traça, prestou depoimento a Bretas o ex-executivo da Odebrecht Benedicto Júnior, que afirmou ter feito, em 2014, pagamento em caixa dois de R$ 23 milhões à campanha do atual governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, que negou, por meio de nota, ter recebido dinheiro de forma ilegal.

Entre os réus da Operação Cadeia Velha, estão o presidente licenciado da Alerj, o deputado Jorge Picciani, e os deputados Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do MDB.

Galeria de Fotos

Traça prestou depoimento ao juiz Marcelo Bretas nesta quarta Reprodução / Globo News
O empresário chegou a ser preso em julho de 2017 Divulgação / PRF

Últimas de Rio de Janeiro