Em protesto contra denúncias de assédio por parte de professores e monitores de colégio, alunos colam papéis com frases em repúdio a atitude de funcionários - WhatsApp O DIA  (21) 98762-8248
Em protesto contra denúncias de assédio por parte de professores e monitores de colégio, alunos colam papéis com frases em repúdio a atitude de funcionáriosWhatsApp O DIA (21) 98762-8248
Por KARILAYN AREIAS

Rio - Alunas de diversas unidades do Colégio Miguel Couto realizaram um ato, nesta segunda-feira, contra o assédio de professores e monitores. Em vídeos recebidos pelo WhatsApp do DIA (21 98762-824), estudantes aparecem com cartazes contra o assédio sexual e gritam "Assédio é crime". Além disso, papéis com frases repudiando esse tipo de atitude também foram coladas pela escola. As manifestações ocorreram nas unidades do Méier e de Bangu.

Este é o segundo caso de assédio denunciado por alunas através das redes sociais em menos de uma semana. Na sexta-feira (17), alunas do Colégio Pensi iniciaram pelo Twitter o movimento #AssedioÉHabitoNoPensi, em que também relataram situações em que foram assediadas. O ato de denunciar teria sido incentivado por uma professora da instituição. Após o caso vir à tona, ela teria sido demitida. Entretanto, a escola negou a demissão da docente e afirmou que "por motivos de saúde ela entrou em acordo com a direção e está afastada de sala de aula, mas continua trabalhandono setor administrativo, na unidade Madureira".

No Miguel Couto, o movimento de alunas denunciando o assédio sexual por parte de funcionários da instituição se iniciou no Twitter, onde adolescentes usam a hashtag #AssedioEHabitoNoMC para relatar os casos. "Trabalhei durante quatro anos numa unidade do Miguel Couto e um famoso professor de química das quartas-feiras sempre passou a mão em mim. Diretores e coordenadora nunca fizeram nada", conta um dos relatos. "O inspetor que todo santo dia me chamava de princesa, linda, maravilhosa, que nem disfarça pra me olhar de uma forma bem e***", comenta outra jovem. "Então vamos falar do inspetor que te assedia na cara de pau e ninguém faz nada a respeito! Fui obrigada a ouvir: "tô analisando as medidas do seu corpo", compartilhou outra.

Procurada pelo O DIA, o Colégio Miguel Couto informou que repudia qualquer tipo de assédio e discriminação. "Em todas as unidades, responsáveis e alunos estão sendo recebidos para exporem seus relatos a fim de que se possa verificar as ocorrências e tomar eventuais providências", diz trecho do comunicado emitido pela instituição. 

Já o Pensi informou, em nota, que repudia qualquer tipo de assédio e discriminação. A instituição disse ainda que está apurando internamente os fatos ocorridos em suas unidades para tomar as medidas necessárias. 

 

Você pode gostar