Fogo Cruzado: registro de tiros no Grande Rio no mês de janeiro tem queda de 3%

Apesar de ainda alto, número é menor que o registrado em janeiro de 2018

Por O Dia

Apesar da redução dos confrontos, o número de mortes aumentou
Apesar da redução dos confrontos, o número de mortes aumentou -

Rio - No primeiro mês de 2019, o Laboratório de dados sobre violência armada Fogo Cruzado mapeou 666 tiroteios, uma média de 21 registros por dia. O número apresenta uma redução de 3% em relação a janeiro de 2018 (690), apontou o estudo, divulgado nesta quinta-feira.  

Ainda de acordo com o levantamento, comparado ao mês anterior (dezembro de 2018), janeiro de 2019 apresentou uma queda de 6% nos registros de disparos de arma de fogo.

Apesar da redução dos confrontos, o número de mortes aumentou. Segundo o relatório, este ano o número de mortos registrados (35) é 13% maior do que no ano anterior (31). Cresceu também o número de casos em que foi registrada participação de agentes de segurança, passando de 5 em 2018 para 7 em 2019.

Áreas com mais tiroteios

O mapeamento do Fogo Cruzado também verificou as áreas ondem ocorrem mais confrontos na região metropolitana do Rio e Baixada Fluminense. De acordo com os dados coletados, o município com mais registros de tiros em janeiro de 2019 foi o Rio de Janeiro (335), seguido por São Gonçalo (82) e Belford Roxo (50). 

Na cidade do Rio, Vila Kennedy foi o bairro com mais registros de disparos de arma de fogo (24), e continua liderando o ranking em janeiro de 2019. Em seguida aparecem o Complexo do Alemão (23) e Praça Seca (17) – ambos também estavam entre os 03 bairros com mais registros de disparos de arma de fogo em 2018 (267 e 276 respectivamente).

A Baixada Fluminense (177) e a Zona Norte do Rio (175) somaram mais de metade dos registros de tiros na região metropolitana do RJ – 27% e 26% respectivamente. O Leste Metropolitano, no entanto, foi o campeão de mortos (63) e feridos (45), acumulando 39% e 38% do total de vítimas respectivamente. 

O relatório completo pode ser visto aqui

Comentários