Mais Lidas

Polícia investiga se milícia tem relação com sumiço de servidores em Campo Grande

DDPA faz uma operação na região, na tarde desta quinta-feira, com o objetivo de localizar os amigos Rodrigo da Cruz Grijó e Edgard Barros Araújo

Por GUSTAVO RIBEIRO E RAFAEL NASCIMENTO

Rodrigo, Edgard e Renata estão sumidos desde sexta-feira
Rodrigo, Edgard e Renata estão sumidos desde sexta-feira -

Rio - A Polícia Civil investiga se milicianos do Mendanha, em Campo Grande, teriam envolvimento com o desaparecimento dos servidores públicos Rodrigo da Cruz Grijó e Edgard Barros Araújo, ambos de 34 anos.  Como O Dia Online publicou no domingo, eles estão desaparecidos desde a noite da última sexta-feira após saírem juntos da casa de um amigo na Estrada do Mendanha, no mesmo bairro. A Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA) faz uma operação na região, na tarde desta quinta-feira, com o objetivo de localizar os dois ou os corpos.

De acordo com as investigações, Rodrigo e Edgard, que trabalham na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e no Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), respectivamente, estavam montando uma empresa que forneceria serviços de distribuição de internet. O negócio funcionaria na casa de um amigo em comum. A polícia já sabe que o cabeamento foi cortado semanas antes do desaparecimento, e que os sócios religaram a conexão depois do ocorrido. Para os investigadores, isso pode ter incomodado a milícia da região.

Uma testemunha contou, em depoimento, que os amigos começaram a planejar a empresa em agosto do ano passado e que, inicialmente, pensaram que não existia concorrência no Mendanha. Segundo a testemunha, os sócios começaram a instalar os cabos nos postes de luz há cerca de dois meses. Durante o cabeamento, no entanto, foi constatado que já havia uma provedora de internet na localidade. Mas, até o momento, não há indícios de que os amigos desaparecidos tenham recebido ameaça.

A DDPA pede que qualquer pista sobre o paradeiro dos amigos seja informada aos telefones da especializada ((21) 2202-0338 ou (21) 2202-0337), além do Disque-Denúncia (21) 2253-1177.

Última mensagem às 21h

A servidora pública Carolina Campos, 41, namorada de Rodrigo Grijó, contou que os dois saíram do local onde seria instalada a empresa, cada um em seu carro, e deram a entender que iriam direto para casa. Rodrigo estava em um Ônix branco de placa LRM-3386 e Edgard em um Palio chumbo com placa KVA-3142. Ela acredita que o marido tinha cerca de R$ 4 mil em espécie no automóvel, porque ia comprar um computador no dia seguinte. A última mensagem que recebeu dele foi às 21h15, com o recibo de uma conta.

"No final da sexta-feira, eles foram instalar alguma coisa nesse endereço em Campo Grande. Ele passou a tarde lá e a gente ficou se comunicando por mensagens normalmente. O dono da casa viu o Rodrigo e o Edgard irem embora e saiu logo depois pra comer com a filha no shopping. Quando saiu, viu que os carros já tinham ido embora. Nada atípico. A partir de então não tivemos mais contato", contou Carolina. Segundo ela, Rodrigo não mencionou que passaria em algum lugar antes de ir para casa.

Ela disse ainda que a última mensagem recebida no celular de Edgard foi enviada às 22h pela namorada dele, mas não foi lida. Desde então, os celulares dos dois amigos estão desligados. 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários