Pais da menina Ágatha chegam à Delegacia de Homicídios da Capital para prestar depoimento

Vanessa Salles Félix e Adegilson Lima, estavam acompanhados de familiares e do advogado Rodrigo Mondego, da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Rio

Por Anderson Justino

Vanessa Salles Félix e Adegilson Lima chegam à Delegacia de Homicídios da Capital, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, para prestarem depoimento, nesta quarta-feira
Vanessa Salles Félix e Adegilson Lima chegam à Delegacia de Homicídios da Capital, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, para prestarem depoimento, nesta quarta-feira -
Rio - Os pais da menina Ágatha Vitória Félix, de 8 anos, morta na madrugada do último sábado no Alemão, chegaram por volta das 10h30 desta quarta-feira na Delegacia de Homicídios da Capital. Eles prestam novo depoimento sobre o caso. Vanessa Salles Félix e Adegilson Lima, estavam acompanhados de familiares e do advogado Rodrigo Mondego, da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Rio.

Galeria de Fotos

Vanessa Salles Félix e Adegilson Lima chegam à Delegacia de Homicídios da Capital, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, para prestarem depoimento, nesta quarta-feira Reginaldo Pimenta/ Agência O Dia
Vanessa Salles Félix e Adegilson Lima chegam à Delegacia de Homicídios da Capital, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, para prestarem depoimento, nesta quarta-feira Reginaldo Pimenta/ Agência O Dia
Vanessa Salles Félix e Adegilson Lima chegam à Delegacia de Homicídios da Capital, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, para prestarem depoimento, nesta quarta-feira Reginaldo Pimenta/ Agência O Dia
Vanessa Salles Félix e Adegilson Lima chegam à Delegacia de Homicídios da Capital, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, para prestarem depoimento, nesta quarta-feira Reginaldo Pimenta/ Agência O Dia


Também pela manhã, policiais da DHC encaminharam ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli três fuzis e duas pistolas que eram usados pelos policiais militares da UPP Fazendinha no dia em que a menina foi baleada. As armas serão periciadas e o laudo deve ficar pronto ainda hoje. De acordo com a Polícia Cívil doze PMs já prestaram depoimento.

Ontem, o delegado titular da DHC, Daniel Rosa, explicou que o fragmento retirado do corpo da criança era muito pequeno e pode dificultar o trabalho da perícia em identificar o calibre do tiro que a atingiu.
Leia: Caso Ágatha: fragmento da bala é tão pequeno que não mataria um adulto

"Os fragmentos são muito pequenos porque o tiro vai batendo em vários lugares".

Também na terça, o motorista da Kombi em que a menina foi baleada voltou a rebater a Polícia Militar e reforçou que não havia confronto no momento do incidente.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários