Bebianno terá missa feita por amigos após fim da pandemia do coronavírus, diz jornal

Ex-ministro sofreu um ataque fulminante do coração no dia 14 de março, no início da chegada do coronavírus ao Brasil, e sua missa foi cancelada para evitar aglomerações

Por O Dia

O ex-ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno
O ex-ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno -
Rio - O ex-ministro Gustavo Bebianno, que morreu em março, terá uma missa após o fim da pandemia do coronavírus. Ela será organizada pelo presidente do PSDB do Rio, Paulo Marinho, e por outros amigos. As informações são da coluna painel, do jornal Folha de S.Paulo. 
Bebianno sofreu um ataque fulminante do coração no dia 14 de março, no início da chegada do coronavírus ao Brasil, e sua missa foi cancelada para evitar aglomerações. 
"É uma ocasião em que se juntam os amigos e familiares para lembrar da pessoa, e não pudemos fazer isso por causa do início da pandemia. Temos que fazer, é importante não deixar passar batido isso", afirmou Marinho à coluna. O empresário foi uma figura importante na campanha de Bolsonaro à presidência, mas afastou-se dele desde o início do mandato. Ele será pré-candidato do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) à Prefeitura do Rio no lugar de Bebianno, que seria o nome indicado.

Comentários