Operação cumpre mandados para investigar tentativa de homicídio contra Shanna Garcia

Entre os 22 alvos de mandados de busca e apreensão da Operação Sucessão, está o ex-cunhado de Shanna, Bernardo Bello, empresário e ex-presidente da Vila Isabel

Por O Dia

Material apreendido em operação contra suspeitos de participarem da tentativa de homicídio contra Shanna Garcia, em outubro de 2019
Material apreendido em operação contra suspeitos de participarem da tentativa de homicídio contra Shanna Garcia, em outubro de 2019 -
Rio - O Ministério Público do Rio com apoio da Polícia Civil e da Polícia Militar deflagrarou nesta terça-feira uma operação contra suspeitos de tentativa de homicídio a Shanna Garcia, em outubro do ano passado. Shanna é filha do bicheiro Waldemir Paes Garcia, o Maninho, morto em 2004.
Entre os 22 alvos de mandados de busca e apreensão da Operação Sucessão, está o ex-cunhado de Shanna, Bernardo Bello, empresário e ex-presidente da Vila Isabel. A Polícia Militar informa que mandados de busca e apreensão também são cumpridos contra três policiais militares. O delegado da Delegacia de Homicídios da Capital, Daniel Rosa, informou que ex-PMs e ex-policiais civis também são suspeitos de participação no crime. 

Na casa de Bernardo, foram apreendidos celular, computador e um carregador de pistola 380. Ele não foi encontrado no local. Por isso, a polícia buscou no Condômino Parque Pallace, ao lado do Terminal do BRT Alvorada, imagens para verificar se ele saiu antes da chegada das equipes, o que indicaria que a operação vazou. 
" (Ainda) Não se pode falar em vazamento, mas ele não estava em casa. A gente vai apurar essa hipótese. Mas a operação foi bem sucedida. Foram apreendidos documentos, celulares, armas de fogo", diz o titular da Delegacia de Homicídios da Capital, Daniel Rosa.
O delegado informou que a prisão em flagrante de alvos da operação de hoje também é estudada por conta da apreensão de armas e munições, à princípio, irregulares. Rosa acrescenta que foram apreendidos na operação de hoje objetos, documentos, dinheiro em espécie, armas, munições, celulares, sem revelar a identidade dos alvos. "Todo o material será periciado e objeto de análise", diz.
O promotor do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) Bruno Gangoni disse que a partir da análise do material apreendido, outros crimes relacionados ao jogo do bicho poderão ser identificados. " Agora a gente vai analisar todo o material apreendido para avançar na investigação. Com análise do conteúdo a gente vai saber se ali tem informações de outros crimes pratiados. A gente sabe que ali é um núcleo familiar, que já tiveram vários assassinatos", comenta Gangoni.
As decisões judiciais foram expedidas pela 1° Vara Criminal da Comarca da Capital.
Durante a primeira fase das investigações, Shanna apontou à polícia que Bernardo Bello seria o autor intelectual do atentado sofrido no ano passado. Para os investigadores, o motivo dos atentados é a disputa pelo patrimônio de R$ 25 milhões de Maninho. O atentado contra Shanna aconteceu quando ela chegava a um centro comercial da Barra da Tijuca e levou dois tiros. Ela conseguiu fechar a porta do carro, que era blindado, para se proteger.
"É um histórico longo de crimes, de assassinatos, que vai desde a morte do pai dela, Waldomiro em 2004, de pessoas que vêm sido mortas em decorrência de disputa do espólio deixado pelo pai da Shanna, o Waldomiro. A investigação trilha esse caminho: descobrir se mais este crime tem relação com essa disputa pelo espólio do Maninho", explica o delegado Daniel Rosa.
Na terça-feira de Carnaval deste ano, o tio de Shanna, Alcebíades Paes Garcia, conhecido como Bid, foi morto na Barra da Tijuca. Irmão de Maninho, Bid foi assassinado a tiros quando chegava em casa dos desfiles na Sapucaí. Ele também era envolvido com o 'jogo do bicho', segundo o MP. 
Shanna também teve o ex-marido José Luiz de Barros Lopes, o Zé Personal, e o irmão Myro Garcia , Myrinho, assassinados. O Ministério Público classifica os atentados como "verdadeira guerra pelo controle da referida contravenção".

Galeria de Fotos

Material apreendido em operação contra suspeitos de participarem da tentativa de homicídio contra Shanna Garcia, em outubro de 2019 Reginaldo Pimenta/ Agência O DIA
Shanna Harrouche Garcia, filha do bicheiro Waldomiro Paes Garcia, o Maninho, no Instituto Médico Legal, após fazer exame de corpo de delito Ricardo Cassiano
Material apreendido em operação contra suspeitos de participarem da tentativa de homicídio contra Shanna Garcia, em outubro de 2019 Reginaldo Pimenta/ Agência O DIA
Titular da Delegacia de Homicídios, Daniel Rosa Reginaldo Pimenta/ Agência O DIA
Titular da Delegacia de Homicídios, Daniel Rosa Reginaldo Pimenta/ Agência O DIA
Bernardo Bello, empresário e ex-presidente da Vila Isabel, não foi encontrado no condomínio em que vive, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio Reginaldo Pimenta/ Agência O DIA
Operação Sucessão cumpre 22 mandados de busca e apreensão relativos a investigação que apura a tentativa de homicídio contra Shanna Garcia Divulgação

Comentários