Manifestação na Estrada da Gávea de donos de quiosques, bares e restaurantes
Manifestação na Estrada da Gávea de donos de quiosques, bares e restaurantesLuciano Belford / Agência O Dia
Por Aline Cavalcante
Rio - Apesar da Justiça do Rio determinar, em decisão liminar, que bares e restaurantes do Rio podem fechar às 20h, e não mais às 17h,como havia decretado a prefeitura na quinta-feira, empresários fizeram uma manifestação no fim da desta desta sexta-feira (5) pedindo que horário seja ampliado para às 23h. O protesto reuniu centenas de pessoas na Estrada da Gávea, em São Conrado, na Zona Sul do Rio. 

"É uma tentativa de minimizar os prejuízos. O ideal mesmo seria manter o horário de funcionamento normal, com capacidade reduzida. Assim evitaria aglomeração e não prejudicaria os estabelecimentos. Essa medida vai quebrar o setor. Estamos há um ano tendo prejuízos. Só hoje mandei 10 funcionários embora e tive que suspender os pagamentos. Com esta restrição meu faturamento cai 80%. Queremos ao menos que possamos abrir os estabelecimentos até 23h", disse Gabriel Fonseca, 37, proprietário de um bar e um quiosque no Leblon.

Os manifestantes cobraram também apoio do prefeito Eduardo Paes. "Antes da eleição ele disse que olharia por nós do setor de entretenimento, donos de bares, quiosques, restaurantes e outros. Agora ele vai e toma uma decisão dessa", reclamou um empresário.

Amanhã uma nova manifestação está marcada para às 18h, na Praça Antero de Quental, no Leblon. "Convocamos os quiosqueiros, donos de boates e todos os comerciantes e empresários prejudicados a se juntaram a nós. Não vamos desistir até conseguirmos uma nova decisão", afirmou Fonseca.
Prefeitura vai recorrer da decisão judicial
Publicidade
Após a Justiça determinar que bares e restaurantes poderão fechar às 20h, a Prefeitura do Rio anunciou que vai recorrer para que a medida restritiva de fechamento às 17h volte a vigorar.
"A prefeitura vai recorrer da decisão por entender ser insuficiente o fechamento a partir das 20h. De acordo com a Vigilância em Saúde e a Secretaria de Ordem Pública, o horário das 17h, que consta no decreto, foi estabelecido a partir de orientação técnica para diminuir a circulação de pessoas, evitar aglomeração e garantir o distanciamento social. Somente este ano, das 284 infrações sanitárias, mais de 87% foram realizadas no período noturno, evidenciando este ser o horário com mais pontos de aglomeração e descumprimento das regras por parte da população", diz a nota.
Publicidade
"A Secretaria Municipal de Saúde constatou nesta quinta-feira um aumento de 16% dos casos de atendimento de síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave nas unidades de urgência e emergência da cidade, o que reforça a necessidade de maior rigor nas medidas de proteção à vida", finaliza a prefeitura.