Neste sábado, o Estado do Rio registrou 223 mortes e 2.831 casos por Covid-19 nas últimas 24 horas
Neste sábado, o Estado do Rio registrou 223 mortes e 2.831 casos por Covid-19 nas últimas 24 horasReprodução
Por O Dia
Rio - Neste sábado (24), o Estado do Rio de Janeiro registrou 223 mortes e 2.831 casos por Covid-19 nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, foram confirmados 723.580 casos e 42.857 óbitos provocados pela doença no Estado. Os dados são do Painel Covid-19, atualizado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) às 17h deste sábado.
De acordo com a secretaria, 672.377 pacientes se recuperaram do coronavírus desde o começo da crise sanitária. No último período, foram 1.352 recuperados. A pasta também informou que a taxa de ocupação nos leitos de enfermaria Covid está em 67,4%, enquanto a taxa de ocupação UTI Covid contabiliza 87,6%. 
Publicidade
Bandeira vermelha
Na noite desta sexta-feira (23), a SES esclareceu que o mapa de risco da Covid-19 no estado do Rio está na bandeira vermelha, que significa um risco alto de contrair a doença. A Região Metropolitana I, única do estado que permanecia com bandeira roxa (risco muito alto de contrair a doença), passou para bandeira vermelha.
Publicidade
Ainda segundo a pasta, a bandeira do Médio Paraíba, que apresentava a cor vermelha, passou para a cor laranja (risco moderado). As regiões Centro-Sul, Baixada Litorânea, Noroeste, Norte, Baía de Ilha Grande, Metropolitana II e Serrana permanecem com bandeira vermelha. A análise compara a semana epidemiológica 14 (4 de abril - 10 de abril) com a 12 (21 de março - 27 de março) de 2021.
Cada bandeira representa um nível de risco e um conjunto de recomendações de isolamento social, que variam entre as cores roxa (risco muito alto), vermelha (risco alto), laranja (risco moderado), amarela (risco baixo) e verde (risco muito baixo).
Publicidade
Além disso, a secretaria informou que o Rio apresentou um aumento do número de óbitos (13%) e uma redução dos casos de internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave - SRAG (-26%) na comparação entre as semanas epidemiológicas analisadas.