Imagem vista dos prédios vizinhos ao Palácio das Laranjeiras
Imagem vista dos prédios vizinhos ao Palácio das LaranjeirasLiege Galvão
Por Gabriel Leonan*
Uma bandeira vermelha com o símbolo da suástica nazista foi hasteada, na manhã desta quarta-feira, no Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador do Estado do Rio. Moradores e pedestres se assustaram com a faixa. Questionado sobre o material colocado no local, o governo do estado afirmou que se tratava da gravação da série 'O anjo de Hamburgo', da Globo.
A bandeira não passou despercebida por moradores de prédios vizinhos ao palácio, como foi o caso de Liege Galvão. "Foi um choque, porque os tempos são tão loucos atualmente que você nunca sabe o que vai acontecer. Eu imaginei que alguém estava hasteando uma bandeira com a suástica por alguma comemoração", disse Liege.
Publicidade
Segundo Liege, até entender que se tratava da gravação de uma série, ela ficou bastante assustada. Para ela, a produção da série errou ao não avisar aos moradores do entorno do palácio que iriam hastear a bandeira com o símbolo nazista.
"Eu acho que a produção da filmagem errou, porque eu não sei quanto aos outros moradores aqui no Parque Guinle. Elas podem ficar chocadas também com isso. A produção tinha que por cuidado, ter avisado nas portarias que no dia tal começariam a filmagem da série e que colocariam as bandeiras hasteadas, pois elas são enormes e tem mais de 15 metros", completou Liege.
Publicidade
A suástica foi adotada como emblema oficial do III Reich e do Partido Nacional-Socialista alemão, se tornando símbolo do nazismo.
No Brasil, fazer apologia ao nazismo ou ao uso da suástica para fins nazistas é crime. A Lei Federal nº 7.716/1989 define como crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor. Fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo, resulta em condenação e pena de reclusão de dois a cinco anos e multa.
Publicidade
A assessoria do Governo do Estado informou, apenas, que disponibiliza o palácio para gravações. 
*Estagiário sob supervisão de Marina Cardoso