Mais Lidas

Cascudo, peixe esquisito que dá água na boca

Espécie facilmente encontrada no Rio Paraíba do Sul, o pescado é consumido largamente no Norte e Noroeste do estado

Por luana.benedito

Moqueca é o principal prato da espécie no interior do Estado do RioDivulgação

Rio - Com boca caída; olhos esbugalhados; coberto por uma ouraça constituída de três a quatro fileiras de escamas grossas, que lhe conferem a aparência e sensação tátil de uma lixa; de cor parda e manchas escuras pelo corpo, “ele é feinho que dói”, como dizem os pescadores. Mas é um dos peixes mais saborosos e tradicionais da culinária fluminense. Estamos falando do Cascudo,ou Caximbau, um peixe de água doce, servido o ano inteiro em todos os restaurantes especializados no Interior do Rio, sobretudo no Norte e Noroeste.

Nessas regiões, é encontrado principalmente no Rio Paraíba do Sul, seu principal habitat, e seus afluentes, tendo herdado inclusive o pomposo nome científico de Pogonopoma Parahybae. Apesar de estar na época de desova, quando sua pesca é vetada pela Secretaria Estadual de Agricultura — entre dezembro e fevereiro —, a procura pelo Cascudo, consumido em forma de moqueca ou frito, é tão grande que obriga os donos de restaurantes a estocar toneladas do pescado para servir aos clientes neste período.

“Aqui, esse tipo de prato não pode faltar nunca. Nossa sobrevivência, aliás, depende dele”, justifica Francisco Rosmaninho, o Chicão, dono do Restaurante Cascudão, erguido em 1972 pela sua família em homenagem à espécie, às margens da BR-356, em Itaperuna. Lá são servidos 62 tipos de pratos diferentes de peixes, mas o carro-chefe da casa é o cascudo, que custa entre R$ 57,90 a porção frita “bem servida”, e R$ 59,90 a moqueca (com casca ou sem casca, com referência à carapaça) para duas pessoas.

Nos finais de semana, o estabelecimento costuma vender até 600 pratos nas duas versões. “A nossa moqueca com camarão é famosa, acompanhada de um molho de pimenta que só nós temos a receita”, propagandeia Chicão.

Delícia cai bem com chope ou vinho

A Casa do Peixe, na Estrada Pádua-Monte Alegre, em Santo Antônio de Pádua, é outro restaurante famoso pela comercialização do Cascudo. “Servido com arroz branco, pirão e salada, esse peixe também é consumido com chope ou cerveja no verão e vinho branco no inverno”, ressalta Carlos Bugin Vaz, dono do restaurante, que ganhou o apelido de Caximbau.

Carmo, Aperibé, Cambuci, São Fidélis e Campos dos Goytacazes são outras cidades onde o Cascudo é consumido em larca escala. Comum em rios de águas barrentas, o peixe se alimenta raspando as superfícies de pedras, barrancos, folhas e galhos, que são fontes ricas de micro-organismos e pequenas algas.

O Cascudo pode atingir até 40 cm de comprimento, mas tem gente que o cria até em aquário, que não pode ser novo e precisa ter, curiosamente, água um pouco turva, pois o animal precisa de um ambiente onde já ocorra a presença de algas e lodo necessários para a sua alimentação. Outra dica é verificar o pH da água, que deve ser neutro.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia