Mais Lidas

Volta Redonda resgata brincadeiras antigas

Projeto incentiva famílias a deixarem celulares para brincar nas ruas

Por luana.benedito

Rio - Um dia longe dos celulares e computadores, para brincar de amarelinha, queimada, piques e praticar outras atividades saudáveis com a família na rua, entre elas, patinar, pedalar ou, simplesmente, caminhar. É a proposta do Projeto Ruas de Lazer, que acaba de ser lançado pela Prefeitura de Volta Redonda, cidade do Sul Fluminense.

A iniciativa foi colocada em prática com sucesso pela primeira vez no último final de semana, na Radial Leste, no Aero Clube, e se repetirá todos os domingos. No próximo, a ação continuará no bairro, mas, em breve, a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Smel) divulgará um cronograma com os nomes das localidades que receberão o projeto, sempre das 7h às 19h.

Para participar da recreação%2C é necessário deixar de fora aparelhos celulares%2C tablets e computadoresDivulgação

“A primeira edição foi um sucesso. Famílias inteiras passaram horas agradáveis em companhia de vizinhos num local seguro e sem riscos de acidentes. Quem não praticou nenhum esporte ou brincadeira, ficou simplesmente conversando, resgatando a importância do espaço público”, ressalta o prefeito Samuca Silva (PV).

Para proteger crianças e idosos, principalmente, e evitar engarrafamentos, guardas municipais isolam áreas para impedir a passagem de veículos. Entrar na área demarcada portando celulares e outros aparelhos digitais não é proibido, mas, segundo os organizadores, os próprios participantes evitam levá-los. “Teve gente que voltou em casa para deixar o celular. Isso é muito gratificante”, diz a secretária Maria Paula Tavares.

A agente administrativa Cristiane Silva, 39, aprovou a ideia. Ela levou a filha e três sobrinhas para se divertir. “Gostei. Volta Redonda precisa desses espaços para lazer e, principalmente, de momentos que unam parentes e amigos”, comemorou. “Eu e meu vizinho (o contador Ancelmo Villar, 45), moramos no mesmo prédio há quatro anos e só hoje é que paramos para bater um papo. Descobrimos que pescar é nossa paixão e já marcamos até uma pescaria”, contou o eletricista Manoel Pacheco, 50.

Brincadeiras e campanhas educativas

A intenção é aproveitar também a presença das famílias para desenvolver campanhas de defesa do meio ambiente, educação, saúde e cultura. No domingo, por exemplo, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente distribuiu mudas de amora, hibisco, dracenas e palmeiras. 

Já a Secretaria de Saúde fez campanha de combate ao mosquito da dengue. A ONG Bike Anjo, por sua vez, ensinou crianças a andarem de bicicleta.
A iniciativa da prefeitura agrada especialistas, como a psicóloga e doutora em saúde mental Anna Lúcia King, do Grupo Delete, do Instituto de Psiquiatria (Ipub) da UFRJ. Ela lembra que 10% da população mundial já sofre de dependência tecnológica.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia