Rio acumulará R$ 26,3 bilhões em dívidas com fornecedores em 2023

Revisão do Plano de Recuperação Fiscal mostra que restos a pagar serão muito maiores do que número apresentado por governo Pezão, que estimou R$ 3,3 bilhões

Por PALOMA SAVEDRA

Carvalho 'desmontou' Plano de Recuperação Fiscal feito em 2017
Carvalho 'desmontou' Plano de Recuperação Fiscal feito em 2017 -
Rio - O secretário estadual de Fazenda, Luiz Claudio Carvalho, declarou nesta segunda-feira que, ao fim do Regime de Recuperação Fiscal, em 2023, o Estado do Rio terá um estoque de restos a pagar - ou seja, dívidas com fornecedores - de R$ 26,3 bilhões. Carvalho ressaltou que esse número só reforça a necessidade de revisar o plano de recuperação apresentado em 2017 pelo governo fluminense à União, ou então as finanças fluminenses ficarão “insustentáveis”.
O secretário apontou erros na “metodologia de cálculo” no documento apresentado em setembro de 2017 pelo governo anterior à Secretaria do Tesouro Nacional. E que, por isso, houve necessidade de refazer os cálculos.
O plano entregue pelo governo Pezão indica (ainda está em vigor) que, ao fim do regime, os restos a pagar seriam de R$ 3,3 bilhões. Ou seja, com as novas contas, essa dívida com fornecedores saltou R$ 23 bilhões.
Carvalho deu a declaração durante audiência da CPI da Crise Fiscal na Alerj - presidida pelo deputado Luiz Paulo (PSDB).

O chefe da Fazenda fez ainda uma apresentação de alguns itens da proposta de revisão do Plano de Recuperação Fiscal que o governador Wilson Witzel entregou ao ministro da Economia, Paulo Guedes, em 27 de junho.

Adiamento da dívida com a União

O ponto central do documento trata do adiamento da retomada do pagamento da dívida que o Estado do Rio tem com a União, já que o regime prevê que isso ocorra já em setembro de 2020. Segundo Carvalho, o governo não tem como arcar com esse pagamento já no ano que vem. Vale lembrar que esse débito não está incluído nos restos a pagar.
Ajuste caiu de R$ 85 bi para 73,2 bi

Com as novas medidas previstas no documento entregue pela nova gestão do Estado do Rio, o ajuste total em seis anos de regime de recuperação (de 2017 a 2023) também mudou. Antes, previa-se um ajuste de R$ 85,8 bilhões, e, agora, a estimativa é de R$ 73,2 bilhões.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários