'Não vamos votar nenhuma medida drástica agora', diz presidente da Alerj sobre privatizações

André Ceciliano declarou à coluna que projeto de lei do governo prevendo desestatizações não pode ser analisado pela Casa sem ampla discussão

Por PALOMA SAVEDRA

Presidente da Assembleia Legislativa do Rio, André Ceciliano pede cautela
Presidente da Assembleia Legislativa do Rio, André Ceciliano pede cautela -
Na mensagem que enviou segunda-feira à Alerj, propondo a retomada do programa de desestatização no Rio, o governador Wilson Witzel pediu a votação em regime de urgência, como antecipou a coluna. O presidente da Assembleia Legislativa (Alerj), André Ceciliano (PT), no entanto, avalia que não é o momento de a Casa analisar "medidas bruscas e drásticas".
À coluna, Ceciliano disse ter dúvidas se vai pautar o projeto por agora. O parlamentar declarou que a análise do texto será feita pela Casa, mas, antes, vai promover discussões sobre o tema.
"A presidência vai ouvir os líderes sobre essa e outras mensagens enviadas pelo governo. A ideia é não votarmos nenhuma medida drástica, não vamos fazer esse papel. Nesse momento precisamos de tranquilidade", afirmou.
O governo também encaminhou à Alerj, na segunda-feira, outras duas mensagens com viés econômico. Uma proposta inclui as despesas com inativos e pensionistas no cômputo dos gastos mínimos obrigatórios com a Educação.
A outra prevê que os recursos dos fundos estaduais de Habitação de Interesse Social (FEHIS), de Investimentos e ações de Segurança Pública (Fised) e de Conservação Ambiental (Fecam) passem a fazer parte do orçamento do Estado do Rio.

Comentários