Pagamento de salários até o fim do ano preocupa governo do Rio

Nos bastidores da prefeitura, há apreensão em torno do assunto devido à queda de arrecadação em meio à pandemia

Por PALOMA SAVEDRA

Apesar de oficialmente Crivella não falar sobre a situação preocupante, dentro do governo há o alerta
Apesar de oficialmente Crivella não falar sobre a situação preocupante, dentro do governo há o alerta -

Voltou aos bastidores do governo de Marcelo Crivella a preocupação com o pagamento dos salários do funcionalismo municipal este ano. Para se ter uma ideia, a folha salarial mensal dos 200 mil servidores ativos, inativos e pensionistas é de cerca de R$ 1 bilhão. E, diante do cenário de crise provocado pela pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura do Rio estima uma perda de R$ 2 bilhões de receita, segundo dados oficiais da Secretaria Municipal de Fazenda.

Questionada, a pasta informou que "as medidas (para amenizar o impacto da pandemia nas contas) que estão sendo adotadas vêm contribuindo para a manutenção do pagamento dos servidores em dia".

Do conjunto de medidas para aumentar a arrecadação, segundo a Fazenda, entre as mais significativas estão a reedição do 'Concilia Rio', programa de renegociação de débitos de contribuintes, e a oferta de descontos de 20% no pagamento à vista das cotas vencidas e a vencer do IPTU 2020.

Ajuda federal

A Prefeitura do Rio, assim como todos os municípios, está recebendo a sua fatia do auxílio federal liberado pelo governo Bolsonaro devido à pandemia. O valor total a ser
repassado, em parcelas, ao governo carioca é de R$ 625 milhões. Desse montante, R$ 95 milhões são para uso exclusivo no combate à covid-19.

Para tentar elevar a receita, a Fazenda municipal apontou ainda “esforços na área Patrimonial com a realização de licitações, a publicação de editais e a instalação de publicidade em equipamentos de saúde municipais”.

A pasta lembrou que, em relação a corte de despesa, recentemente contingenciou do orçamento o valor de R$ 700 milhões, que alcançou todas as pastas, exceto Saúde e Assistência Social.

Comentários