Dados foram citados em seminário promovido pela Câmara dos Deputados - Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Dados foram citados em seminário promovido pela Câmara dos DeputadosMarcello Casal Jr/Agência Brasil
Por PALOMA SAVEDRA
Publicado 16/10/2020 15:44 | Atualizado 16/10/2020 19:47
O custo da folha salarial de servidores públicos no Brasil está abaixo do registrados em outros países, como Espanha e Austrália. Os dados foram citados em seminário promovido ontem (quinta-feira, dia 15) pela Secretaria de Relações Internacionais da Câmara dos Deputados. O tema do evento foi a reforma administrativa, prevista na PEC 32, que altera as regras do RH brasileiro e extingue a estabilidade.
No evento, o embaixador da Espanha, Fernando García Casas, disse que em seu país o custo da folha é de 12,2% do PIB. E o embaixador australiano, Timothy Kane, informou que, na Austrália, é de 17%, segundo informou a Agência Câmara. Enquanto isso, segundo o Atlas do Estado Brasileiro, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Brasil tinha um custo de 10,7% do PIB em 2017.
Publicidade
Estabilidade garantida no Brasil
Os dados do Ipea também indicam que, no Brasil, os funcionários públicos representam 11% da população economicamente ativa. Já na Espanha, de acordo com Fernando García Casas, eles são 14,3% da população ativa, sendo a maioria contratada a partir de concursos. Além disso, no serviço público espanhol não há garantia de estabilidade, ele ressaltou. 
Publicidade
Na Austrália, segundo informou o embaixador do país, o funcionalismo é 15,8% da força de trabalho. Ele informou ainda que o sistema de contratação é descentralizado.
Publicidade
Parlamentar: 'setor público do Brasil é ineficiente'

Para defender a necessidade de uma reforma em solo nacional, o secretário de Relações Internacionais do Brasil, deputado Alex Manente (Cidadania-SP), alegou que, aqui, o setor público é "bastante obsoleto" e não tem eficiência.
"No sentido de gerar um custo significativo para o Estado e o serviço não ser tão eficiente até por conta da falta de uma modernidade", declarou o parlamentar.