Após 15 dias, Kaio, de 13 anos, foi encontrado em frete a um quiosque da praia, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio
Após 15 dias, Kaio, de 13 anos, foi encontrado em frete a um quiosque da praia, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio Arquivo Pessoal
Por Charles Rodrigues
Após ampla divulgação do caso nas redes sociais e no DIA Online, o menino Kaio Gabriel de Oliveira, de 13 anos, foi encontrado, na madrugada da última quinta-feira, em frente a um quiosque, na Praia da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio.
Desaparecido, há 15 dias, o adolescente, que vendia balas em trens e rodoviárias para ajudar na renda da casa, estava sendo procurado por familiares e vizinhos, após sair de casa para brincar com amigos, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Uma pessoa, não identificada, reconheceu Kaio e avisou à polícia.
Publicidade
Amparado pelo Conselho Tutelar, o menino foi encaminhado à 16ª DP (Barra da Tijuca), onde ficou até a chegada da família. Aliviada ao reencontrar o filho, a dona de casa Roberta Firmino de Oliveira, 39 anos, agradeceu às pessoas que participaram das buscas.
“Em um mundo tão mau e violento, é um milagre rever e poder abraçar o meu filho! Sou grata a todos que ajudaram nas buscas ao Kaio. Foram 15 dias de muita apreensão e angústia. Agora, com o amparo das instituições, vamos cuidar dele e fazer de tudo para que não se repita. Ter meu filho de volta é um alívio!”, disse, emocionada, a dona de casa.
Publicidade
Especialista alerta famílias sobre a necessidade do uso de objetos de identificação em crianças e adolescentes
Para Luiz Henrique Oliveira, gerente do Programa SOS Crianças Desaparecidas da Fundação para a Infância e Adolescência (FIA), o sumiço de crianças e adolescentes pode e deve ser prevenido com procedimentos básicos e de baixo custo para as famílias. Oliveira cita, por exemplo, o uso de pulseiras ou cordões, com identificação e contatos dos responsáveis.
Publicidade
“Além da emissão de documentos, o uso de pulseiras e cordões contendo identificação e contatos dos responsáveis tem baixo custo e pode ajudar em muito na localização de crianças e adolescentes. São atitudes simples, mas eficazes. No caso do Kaio, agradecemos à rede de apoiadores, incluindo instituições, mídia e agentes públicos, que ajudaram na localização”, reiterou Oliveira.
Em 2020, a FIA registrou 148 sumiços de crianças e adolescentes, no estado do Rio de Janeiro. Destes, 119 foram encontrados.