O Instagram como ferramento de estudo

Postagens com conteúdo educacional, conhecidas como ‘studygram’, viram tendência entre jovens

Por Bernardo Costa

Professor Mauro Félix, da Celso Lisboa, dá dicas para estudar para o Enem pelas redes sociais
Professor Mauro Félix, da Celso Lisboa, dá dicas para estudar para o Enem pelas redes sociais -
Muita gente não consegue ficar um dia sequer sem entrar nas redes sociais. Durante a preparação para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), é possível usar parte do tempo nessas mídias para absorver lições
de forma rápida, prática e com forte apelo visual que facilita a memorização. O Instagram está na dianteira desse processo, e hoje tem uma série de perfis voltados para a educação. São os chamados ‘studygrams’.
“Eles surgiram de forma espontânea entre os jovens. São postagens de fotos ou vídeos que resumem um conteúdo. Ou sequências de fotos que demonstram a aplicação de uma fórmula. Essas postagens são capazes de viralizar rapidamente e formar grandes redes de estudos entre os jovens”, destaca o professor Antônio José Chaves, coordenador dos cursos de jornalismo e da pós-graduação em mídias sociais da UniCarioca.
Mauro Felix (à esquerda) e Antônio José Chaves (de vermelho) orientam os estudantes a buscar informação de qualidade pelas redes sociais - Divulgação
Para encontrar as postagens, o professor Chaves sugere uma pesquisa com a #studygram. Mas dá um alerta: “Para avaliar a relevância e qualidade do conteúdo, é importante observar o número de curtidas e de comentários. Se os números forem baixos, provavelmente o material não é bom”, explica o professor.
Supervisor de orientação profissional da universidade Celso Lisboa, Mauro Felix sugere que os alunos peçam
aos professores sugestões de perfis que divulguem conteúdo educacional de qualidade. “Hoje, os  professores estão muito antenados a essas possibilidades que estão surgindo no Instagram, pois são formatos que podem ser aplicados também em sala de aula”, diz o professor.
Mauro Felix acrescenta que os perfis das próprias instituições de ensino também estão seguindo a linha do ‘studygram’. “No Dia do Enfermeiro, por exemplo, o perfil da Celso Lisboa postou informações sobre a origem da profissão. Muito alunos viram e chegaram em sala de aula pedindo mais informações. Ou seja, o  Instagram tem sido uma grande oportunidade de despertar interesse nos jovens”, comenta.

Galeria de Fotos

Professor Mauro Félix, da Celso Lisboa, dá dicas para estudar para o Enem pelas redes sociais Divulgação
Mauro Felix (à esquerda) e Antônio José Chaves (de vermelho) orientam os estudantes a buscar informação de qualidade pelas redes sociais Divulgação

Comentários