Simulação da morte de Eduardo será no mesmo horário em que ele foi baleado

Segundo o delegado Rivaldo Barbosa, trabalho deve ser feito com as 'mesmas condições de visibilidade' do dia do crime

Por paloma.savedra

Vizinhos de Eduardo acompanharam reconstituição do caso e pediram justiçaSeverino Silva / Agência O Dia

Rio - A simulação da morte do menino Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, no Complexo do Alemão, será feita às 17h30, horário em que a criança foi alvejada em frente à sua casa no dia 2 de abril. Segundo o delegado titular da Divisão de Homicídios (DH), Rivaldo Barbosa, a medida tem como objetivo resguardar as "mesmas condições de visibilidade e luminosidade" do dia do crime. 

"Estamos tendo cuidado de resguardar as mesmas condições de visiblidade e luminosidade do horário da morte. A perícia não tem hora para acabar", declarou Rivaldo. Anteriormente, os policiais que participam da reconstituição ouviram testemunhas oculares do crime. Onze PMs encapuzados chegaram ao local para a perícia, entre eles o possível autor do disparo que matou o menino.

Mais cedo, o pai da vítima, José Maria Ferreira de Souza, voltou a pedir a punição do policial que atirou contra seu filho e desabafou: "Não me calarei. Espero que a culpa do policial seja comprovada na perícia de hoje. Esse sujeito tem que pagar com cadeia", disparou. O menino foi atingido no dia 2 de abril, na porta de casa, e os dois PMs envolvidos no caso estão na comunidade para a simulação.

A Divisão de Homicídios (DH) já realizou a reconstituição da morte do ex-comandante da UPP Nova Brasília, capitão Uanderson Silva. Ele morreu depois de ser baleado em um confronto em setembro de 2014. A Polícia Civil também fez a perícia da morte de Elizabeth de Moura Francisco, de 41 anos. Moradora da comunidade, ela foi vítima de mais um tiroteio na região e acabou sendo baleada dentro de casa.

GALERIA: Reconstituições no Alemão

Os trabalhos de reconstituição simultânea das três mortes mobilizaram 120 policiais, oito delegados e 10 peritos. 

Viúva do PM morto, Bianca da Silva criticou a falta de segurança no Rio: "A minha dor é a mesma da mãe do Eduardo, da filha da Elizabeth. Todos somos vítimas da cultura da violência", disse.

A mãe do policial militar, Maria Glória da Silva, também esteve onde ele foi morto e fez uma oração no local. "Pedi para que Deus encaminhe o espírito dele. Quero ver o culpado condenado, ele vai ter que pagar. Era meu único filho homem. Não quero que outras famílias sofram", desabafou.

Leia mais:

'É triste voltar ao local onde ele morreu', lamenta viúva de PM

'Sempre lembrarei da imagem do meu filho esfacelado', diz pai de Eduardo


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia