Prefeitura de Nova Friburgo
Prefeitura de Nova FriburgoPaula Valviesse
Por O Dia
A Prefeitura de Nova Friburgo divulgou na noite desta quarta-feira (23/03) os novos parâmetros para definição da bandeira, conforme nível de risco de aumento de casos de Covid-19. As novas métricas foram estabelecidas em reunião do Comitê Operativo de Emergência em Saúde (COE), composto pela Procuradoria, secretarias de Gabinete, Governo e Saúde, Câmara de Vereadores, Conselho Municipal de Saúde e Entidades Sociais.
Segundo o COE, a métrica reguladora continuará sendo composta pela taxa de ocupação média dos leitos de CTI/UTI e dos leitos de enfermaria, especificamente para o tratamento de casos suspeitos ou confirmados da Covid19, mantendo o período de sete dias; a taxa de letalidade do município no período de 14 dias, ao invés de considerar o acumulado geral como é atualmente; e a variação do número dos novos casos positivos, aumentando de sete para 14 dias o período avaliado.
Publicidade
A apuração para definição da bandeira acontecerá em conformidade com a pontuação definida após o cálculo das métricas, sendo 0 – bandeira verde (risco muito baixo); 1 a 5 – bandeira amarela (risco baixo); 6 a 9 – bandeira laranja (risco moderado); 10 a 15 – bandeira vermelha (risco alto) e 15 a 20 – bandeira roxa (risco muito alto).
Segundo a Prefeitura, a atualização das métricas, que foram implementadas no ano passado, visa neste momento dar peso maior à taxa de ocupação dos leitos, tanto clínicos quanto CTI, tendo em vista que a disponibilidade de leitos é um dos fatores mais importantes para salvar vidas. As novas diretrizes passam a valer já para a próxima definição de bandeira, nesta sexta-feira (26/03).
Publicidade
“Vale ressaltar que a definição da cor da bandeira da semana não é uma escolha pessoal, não tem e jamais poderá ter interferências de terceiros. Isso significa que não é o Prefeito ou qualquer outro servidor ou instituição que decide a bandeira, pois configura em fraude no processo, já que o mesmo é embasado com critérios técnicos epidemiológicos”, destaca o COE.
Você pode gostar
Comentários