Rosangela Nunes
Rosangela NunesJosiel Lucas / Agência O Dia
Por Josiel Lucas
Rosangela Nunes, de 50 anos, é mãe de Brena Luane Barbosa Nunes, de 25 anos, presa em flagrante por espancar uma criança de seis anos em Porto Real. Em entrevista exclusiva, ela contou sobre o último fim de semana de terror, que culminou no estado grave da menina.

O namoro de Brena e Gilmara começou pela internet. Em julho de 2020, Gilmara veio de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, junto com a filha, na época com cinco anos. "No comecinho, a Brena gostava da menina, pegava ela no colo. Mas agora ela perdia a paciência", ressalta.

Rosângela conta que as agressões não eram frequentes, e que o "estopim" para a sessão de tortura foi após a criança ter aberto duas caixas de leite. A mãe da menina, Gilmara Oliveira de Farias, de 28 anos, chegou a corrigir a filha. Mas Brena, companheira dela, começou a agredir de forma descontrolada desde sexta-feira (16).

A mulher conta que Brena usava um cabo de fibra óptica para bater na menina. "Deu chutes, batia contra a parede. Jogou a menina do barranco de sete metros junto com a mãe. A criança só não foi lá pra baixo porque a mãe dela segurou. Depois disso, ainda bateu mais dentro de casa".


De acordo com Rosângela, o temperamento de Brena mudava sem motivo. "Ela estava bem, aí ela pedia um pedaço de pau pra bater na menina. Aí juntava a Gilmara e ela pra agredir a criança. Eu falava com a minha mãe: Como eu vou fazer? Se eu denunciar ela vem pra cima de mim", desabafou.

Depois de três dias sendo covardemente agredida, a menina de seis anos amanheceu na segunda-feira (19) sem reação. "Ela estava mal, não falava, com o olho meio aberto. Muito mole. Com várias marcas na barriga e nas costas".

No desespero, Gilmara ligou para o Samu. Segundo Rosângela, a mãe da menina chegou a falar para os médicos que caibros (pedaços de madeira) tinham caído na menina, mas Rosângela alertou. "Não fala isso porque ele não vão acreditar. Ela não queria falar a verdade porque a Brena tinha nos ameaçado".

Rosângela conta ainda que Brena ficava muito agressiva quando ingeria bebida alcoólica. "Ela já me agrediu várias vezes. Já bateu na minha mãe idosa que tem dificuldade de locomoção. Bebeu, acabou, ela se transformava". Um caso que chamou a atenção foi quando Brena agrediu a própria mãe no meio da rua. Os vizinhos contam que precisaram intervir.

Nesses nove meses que Gilmara e a filha estavam na casa, muitos vizinhos não sabiam da existência da criança. "Nós ficamos surpresos quando ficamos sabendo disso. A gente nem sabia que tinha uma criança morando aí", disse um vizinho que não quis se identificar.

No bairro de periferia, Jardim das Acácias, a rua é pacata formada por casas populares e muitas crianças. A residência onde a família morava era cercada por terrenos baldios com mato alto. "A gente ouvia a noite barulhos como se tivesse cortando madeira ou pedaços de pau, não imaginávamos que era uma criança sendo agredida", conta outro vizinho.

Dentro da casa simples de três quartos, cozinha e banheiro. A cama improvisada da menina de seis anos era apenas um colchão no chão. Ao lado tinha uma cama de casal onde uma senhora de 86 anos, mãe de Rosângela, dormia. Ali também aconteciam a maioria das agressões.
Publicidade
Nos últimos dias, Gilmara cogitou voltar para Duque de Caxias, onde morava, mas Brena chegou a trancar a mulher dentro do quarto para impedir que ela fosse embora, segundo Rosângela.

Esta não foi a primeira vez que Brena teria agredido uma namorada. Em fevereiro do ano passado, numa discussão ela deu uma facada na companheira. Em outro episódio, ela chegou a quebrar o dedo de um policial militar, quando foi presa a primeira vez.

A Polícia Militar informou que Rosangela vai responder em liberdade por omissão de socorro. Brena e Gilmara foram autuadas por crime de tortura. Elas foram transferidas nesta terça-feira (20) para audiência de custódia em Volta Redonda.