Justiça autoriza médica que negou socorro a bebê a voltar a exercer a profissão

Ainda de acordo com a decisão, Haydée não será mais julgada por um júri e sim por um juiz

Por O Dia

A médica Haydee Marques da Silva
A médica Haydee Marques da Silva -

Rio - A médica Haydée Marques da Silva, que em junho do ano passado se recusou a atender o bebê Breno Rodrigues Duarte, poderá voltar a exercer a profissão. Na ocasião, a criança faleceu após passar mal em casa. A decisão é do juiz Gustavo Kalil, da 4ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ). Ainda de acordo com a decisão, Haydée não será mais julgada por um júri e sim por um juiz do TJ. 

Após ouvir diversas testemunhas, o magistrado concluiu que Haydée não tinha a intenção de matar a criança quando negou o atendimento, pois o quadro clínico de Breno informado à médica era de gastroenterite, doença que não apresenta risco de morte. Como não responderá mais por homicídio doloso, o processo contra Haydée vai, agora, para uma vara criminal comum.

 

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

A médica Haydee Marques da Silva Daniel Castelo Branco / Agência O Dia
Breno com os pais. Menino morreu após médica recusar socorro Divulgação