Tragédia em morro de Niterói era de baixa previsibilidade, afirma prefeito

Acidente matou 14 pessoas e deixou 11 feridas

Por RAFAEL NASCIMENTO

Prefeito de Niterói, Rodrigo Neves
Prefeito de Niterói, Rodrigo Neves -

Rio - O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PDT), disse em coletiva de imprensa no fim da manhã deste domingo, no Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp), que a tragédia que destruiu sete casas e interditou outras 17 no Morro da Boa Esperança, em Piratininga, era de baixa previsibilidade, desmentindo o depoimento de dezenas de moradores da região, que dizem que a área chegou a ser interditada em 2010 após um deslizamento.

“Em 2012 houve inventário sobre área de riscos, nenhum estudo indicava essa área como uma área de alto risco. Sirenes funcionam em Niterói desde 2013, essa comunidade não tinha porque não estavam com apontamentos de alto risco. E mesmo que tivesse sirene, ela não tocaria porque no dia da tragédia não estava chovendo”, disse Rodrigo.

O presidente do Departamento de Recursos Minerais (DRM), Wilson Giozza, confirmou que o local do acidente nunca havia sido vistoriado e era uma área de baixa visibilidade de risco.

“Houve um estudo para localização das sirenes e esse estudo apontou 42 áreas. Onde aconteceu acidente era de difícil previsibilidade e nunca teve estudo feito”.

Neves disse que as 22 famílias atingidas terão apoio financeiro da prefeitura e que serão incluídas no projeto para receber unidades habitacionais que serão inauguradas no final do ano, no bairro Fonseca.

“Nessa madrugada 9 pessoas dormiram no abrigo. Na terça-feira vou enviar à Câmara dos Vereadores um projeto de lei para o aluguel social para as 22 famílias do Boa Esperança. Esse é um regime de urgência. No final do ano serão entregues 200 unidades habitacionais, no Fonseca. Determinei que 17 unidades sejam entregues para as 22 famílias afetadas. Determinei prioridade” detalhou Rodrigo.

Sirenes funcionam em Niterói desde 2013, essa comunidade não tinha porque não estavam com apontamentos de alto risco.

“Tivemos nessa madrugada de sábado uma ocorrência dramática na cidade, que não tínhamos há 6 anos. Estou há 30 horas acordado mantendo contato com toda equipe. Estamos consternados com a tragédia, tivemos 14 óbitos confirmados, lamentavelmente. Vamos decretar luto oficial a partir de hoje pelas vítimas”, disse o prefeito. 

Últimas de Rio de Janeiro