Jornalista é assassinado na porta de casa em Maricá

Robson Giorno pretendia concorrer à prefeitura nas eleições municipais em 2020

Por RAFAEL NASCIMENTO

Giorno pretendia ser candidato a prefeito nas eleições de 2020
Giorno pretendia ser candidato a prefeito nas eleições de 2020 -
Rio - O jornalista Robson Giorno, de 45 anos, foi morto a tiros no bairro do Boqueirão, em Maricá, na noite deste sábado. Segundo as primeiras informações, Robson estava na porta de casa por volta das 22h quando foi vítima de disparos vindos de um carro. Ele era dono do jornal "O Maricá" e pré-candidato à prefeitura do município nas eleições de 2020. Robson era filiado ao partido Avante.
Giorno chegava à pé em sua casa quando foi surpreendido por criminosos armados em um Fiat Pálio cinza. De acordo com a Polícia Civil, durante a madrugada, parentes do jornalista prestaram depoimento na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNISG). O corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) da região após agentes da DHNSG fazerem uma perícia no local do crime. Os agentes procuram possíveis testemunhas e imagens de câmeras de segurança instaladas na localidade que possam ajudar a identificar a autoria do crime.
Fontes da Delegacia de Homicídios de Niterói afirmaram ao DIA que nenhuma hipótese, na investigação, será descartada. Entretanto, a principal linha de apuração é de crime político — devido a atuação firme do homem na cidade. A Polícia Civil vai investigar se a vítima vinha recebendo ameaças de morte, o que teria o levado a só andar em um carro blindado. 
A prefeitura de Maricá manifestou pesar pela morte do jornalista em comunicado oficial. "A Prefeitura de Maricá manifesta seu pesar pela morte trágica do jornalista Robson Giorno e espera que as investigações conduzam rapidamente à identificação e punição dos responsáveis. Assim como reiteramos nosso compromisso com a liberdade de imprensa e de expressão, repudiamos também qualquer ato de violência. Reafirmamos ainda nossa permanente preocupação com a segurança de todos os que vivem e trabalham em Maricá. Nossos sentimentos à família."
O jornal "O Maricá" e Robson vinham denunciando em suas publicações políticos que estavam envolvidos com corrupção e possíveis irregularidades na cidade.

Há exatos 10 dias, o jornalista havia publicado uma reportagem contra o deputado federal pelo PSL, Filippe Poubel. À época, Robson afirmou que o parlamentar havia comprado uma mansão na cidade avaliada em quase R$ 1 milhão. Segundo a reportagem, o parlamentar não teria condições de adquirir o imóvel, já que ele teria declarado ter bens de apenas R$ 55 mil. No dia seguinte a reportagem, Robson usou as redes sociais onde afirmou que iria à Polícia Federal para que a denúncia da matéria fosse investigada pelo órgão.
Em cinco meses seis políticos foram atacados no Grande Rio.

Com bases em dados das Polícias Militar e Civil, o aplicativo Fogo Cruzado identificou que seis pessoas ligadas a política sofreram algum tipo de atentado no estado; quatro morreram. A última vítima foi o jornalista Robson Giorno, dono do Jornal O Maricá.

O primeiro caso foi registrado no dia 2 de fevereiro em Nova Iguaçu. Ruy de Oliveira Wood, de 58 anos, o Ruy da Padaria (PTC), candidato à Deputado Federal pelo Rio, em 2018, foi assassinado a tiros no bairro Jardim Alvorada, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Até hoje, ninguém foi preso.

Pouco mais de um mês depois, a vítima foi o vereador de Japeri, Wendel Coelho, 26, (Avante). A vítima estava dentro do seu carro próximo à Praça Olavo Bilac, no bairro de Engenheiro Pedreira, na cidade da Região Metropolitana, a 76 km da capital, quando foi vítima de uma tentativa de assalto.

Dois dias depois do assassinato de Wendel, o vereador de Belford Roxo, Júlio César Lourenço da Silva, conhecido como Bill da Piscina (PTN), foi atacado a tiros e baleado quando passava pela Rua Emílio Fernandes, no bairro São José, em Belford Roxo. Ninguém foi preso.

No dia 6 de abril, o sargento Valdir Ferreira Leitão, de 49 anos, ex-candidato a vereador por Nova Iguaçu pelo PHS, foi baleado no bairro Rancho Novo, no município, quando estava em um bar.

Cinco dias depois, o ex-vereador de Magé Darci Gomes dos Santos Filho, conhecido como Darcizinho da Vila Nova, foi assassinado a tiros no Centro do município. Os assassinos ainda não foram encontrados.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários