Descoberto plano de ataque à Cidade da Polícia por causa da morte de chefão de Manguinhos

Thiago Baltar Pereira, o Furicão ou Papito, morreu em confronto com agentes da Core, nesta segunda

Por O Dia

A Cidade da Polícia fica no Jacaré
A Cidade da Polícia fica no Jacaré -
Rio - A Polícia Civil reforçou o policiamento na Cidade da Polícia, no Jacaré, na Zona Norte do Rio, após descobrir que traficantes estariam planejando um ataque à área por causa da morte do chefe do tráfico do Complexo de Manguinhos, que fica na região. Thiago Baltar Pereira, o Furicão ou Papito, morreu em confronto com agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), no fim da tarde desta quinta-feira
O serviço de inteligência da secretaria descobriu que traficantes estariam organizando o ataque à Cidade da Polícia após o enterro de Furicão, nesta tarde. O corpo do traficante está sendo velado na quadra da Escola de Samba Unidos de Manguinhos, que fica na Avenida dos Democráticos.
A Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Jacarezinho também teria sido informada do suposto ataque e de possíveis represá-lias, como a queima de ônibus. O comando da unidade determinou que PMs ficassem atentos a possíveis manifestações. Um blindado da PM, inclusive, está dentro da comunidade. No entanto, ainda não relatos de confrontos. 
Procurada pelo DIA, a Polícia Militar disse que "realiza patrulhamento em toda aquela região". A Polícia Civil, no entanto, não respondeu à reportagem.
Thiago Baltar Pereira, o Furicão ou Papito - Reprodução
MORTE DE FURICÃO
Furicão estava foragido da Justiça e foi morto, por volta das 17h35 desta segunda, após entrar em confronto com agentes da Core, que estavam em uma ação de patrulhamento em um dos acessos ao conjunto de favelas da Zona Norte do Rio. Os policiais também estavam na região para a verificação de informações de inteligência no entorno da Cidade da Polícia.
De acordo com a Polícia Civil, durante a operação, os agentes foram atacados a tiros por bandidos armados e houve confronto. Eles reagiram, quando Furicão foi baleado. O traficante foi levado a um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos.
O traficante é apontado como um dos responsáveis pelo ataque de 2014 à base da UPP Manguinhos, quando três PMs ficaram feridos, incluindo o comandante da UPP à época. Ele respondia pelos crimes de associação para o tráfico de drogas, dano ao patrimônio público, explosão, disparo ilegal de arma de fogo, formação de quadrilha e roubos qualificados. Contra ele, havia um mandado de prisão em aberto.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

A Cidade da Polícia fica no Jacaré Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Furicão morreu em confronto Reprodução

Comentários