Após votação ser anulada, porte de arma ao Degase vai ao plenário da Alerj na quarta-feira

Na sessão do último dia 10, parlamentares ampliaram o porte aos deputados da Casa e auditores da Receita Estadual

Por PALOMA SAVEDRA

Votação do projeto de lei que garante porte de arma aos agentes do Degase
Votação do projeto de lei que garante porte de arma aos agentes do Degase -

Rio - Depois de gerar tanta polêmica e ter sua votação anulada, o projeto de lei que garante o porte de arma aos agentes do Degase voltará à pauta da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) na próxima quarta-feira. 

A votação será em discussão única, não havendo necessidade de outra sessão. Ainda faltam pareceres de comissões (como a de Segurança Pública e de Servidor) às emendas apresentadas no plenário. 

O texto, de autoria do deputado Marcos Muller (PHS), prevê o porte de arma aos servidores do Degase para "defesa pessoal" e não dentro das unidades onde ficam os internos. A medida é uma reivindicação da categoria, mas tem provocado controvérsia e discussões dentro e fora da Alerj.

E, além disso, na votação do último dia 10, o líder do governo e presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Márcio Pacheco (PSC), apresentou parecer com uma subemenda que ampliou o porte a deputados da Alerj e auditores da Receita Estadual.

A votação acabou sendo anulada pelo presidente da Casa, André Ceciliano (PT) atendendo ao pedido do deputado Luiz Paulo (PSDB) — também integrante da CCJ.

Ele pediu a suspensão da sessão, alegando que o parecer da CCJ apresentado no plenário não poderia modificar o relatório que já havia sido definido e aprovado pela comissão no último dia 5.

Comentários