Relator da PEC na CCJ da Câmara dos Deputados, Darci de Matos tem se reunido com servidores públicos
Relator da PEC na CCJ da Câmara dos Deputados, Darci de Matos tem se reunido com servidores públicosPablo Valadares/Câmara dos Deputados
Por PALOMA SAVEDRA
Estudo divulgado ontem pela Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado endossará ainda mais a defesa da equipe econômica do governo federal e de alguns governadores à reforma administrativa (PEC 32) — o texto está na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.
A análise indica que a União e os estados poderão economizar, nos próximos dez anos, R$ 128 bilhões com uma reforma que tenha foco em três pontos: fim das promoções automáticas, redução do salário inicial no serviço público e da taxa de reposição de cargos vagos (por aposentadoria, por exemplo).
Publicidade
O 'Estudo Especial 15 da IFI: Impacto de medidas de gestão de pessoas sobre as despesas com pessoal' leva em conta que essas medidas só alcançariam futuros servidores. O Rio figura entre os entes que teriam maior economia: o impacto seria de R$ 4,9 bilhões.