Mais Lidas

Aplicativos para celular, linguagem simples e isenções são trunfos de microsseguros

Propostas aparecem entre as sugestões apresentadas pelo setor aos presidenciáveis. Segmento movimentou R$ 311 milhões em 2017, registrando alta de 57,7%, segundo a Susep

Por Herculano Barreto Filho

O infográfico mostra os valores pagos por segurados a seguradoras para fazer seguro de pessoas
O infográfico mostra os valores pagos por segurados a seguradoras para fazer seguro de pessoas -

Rio - Um caminhoneiro de 54 anos interrompeu a viagem para tomar um cafezinho em um posto de combustível no interior do Paraná, na manhã de 28 de julho. Quando estava no caixa para pagar a conta, foi atropelado por uma carreta desgovernada que invadiu o estabelecimento. A morte inesperada pegou a família de surpresa. Mas um seguro pessoal de apenas R$ 7,90 por mês que cobria acidentes em viagem garantiu um pagamento de R$ 20 mil. "Nem sabia que o meu pai tinha feito esse seguro. O dinheiro ajudou a cobrir gastos com o funeral", explica a filha, uma dentista de 34 anos. O caso ilustra um tipo de apólice em busca de expansão no país.

Os microsseguros, também conhecidos como seguros inclusivos, são estratégicos para o desenvolvimento da economia. Hoje, 28 seguradoras oferecem produtos para a população de baixa renda, segundo dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep), responsável pela regulação do setor. Entre elas, apenas três atuam exclusivamente com esse tipo de produto. Essas seguradoras deram início a um movimento que surgiu no ano passado, com a criação da Associação Nacional das Microsseguradoras. A entidade passou a levantar uma bandeira para desonerar as empresas e tornar os microsseguros ainda mais acessíveis, com foco no seguro de pessoas e em assistência funeral.

A ideia foi assimilada pelo setor. O pedido de concessão de isenção de IOF e de outros benefícios tributários faz parte de um documento com 22 propostas enviadas aos presidenciáveis no começo do mês pela Confederação das Seguradoras (CNseg). "Defendemos a formação dessas seguradoras especializadas só no seguro inclusivo, com exigências regulatórias menores", disse Marcio Coriolano, presidente da entidade.

Com apenas R$ 50 por ano, é possível fazer um microsseguro. Se proposta apresentada aos presidenciáveis for aprovada, esse tipo de apólice deve crescer ainda mais em 2019 - ARTE KIKO

TENDÊNCIA DE EXPANSÃO

De acordo com a Susep, as empresas que atuam com microsseguros arrecadaram mais de R$ 311 milhões de janeiro a novembro de 2017. Um aumento de 57,7% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Apesar do crescimento, elas ainda representam menos de 1% entre os seguros de pessoas, que arrecadou R$ 38 bilhões no ano passado, ainda segundo a Susep.

Esse tipo de seguro ajuda gente simples, como a família de Cosme Silva dos Santos, que morreu no dia 26 de abril deste ano, aos 61 anos. Ele morava com a esposa, duas filhas e quatro netos em uma casa em Realengo, Zona Oeste do Rio. A família recebeu R$ 3 mil, usado para cobrir despesas com o funeral. "O seguro ajudou. A situação está um pouco apertada em casa", comenta Rosana Carvalho dos Santos, 34 anos, filha de Cosme.

A perspectiva é que essa tendência de crescimento também seja impulsionada pela simplificação nos documentos solicitados aos clientes. "A pessoa que quer fazer o seguro para garantir só uma assistência funeral só quer saber quanto custa a cobertura. Hoje, as propostas têm até cinco páginas em uma linguagem que não é acessível. É preciso simplificar", propõe Edson Calheiros, presidente da Associação Nacional das Microsseguradoras e diretor da ALM Microsseguradora, com sede no Centro do Rio.

MAIS EMPRESAS EM 2019

A associação que representa as empresas exclusivas desse segmento conta com pelo menos 500 mil clientes com renda de até três salários mínimos no país. Esses números devem crescer, já que outras três seguradoras com esse perfil devem ingressar no mercado a partir de 2019. Hoje, 80% dos seguros inclusivos são coletivos. Em média, cada contrato desse tipo garante a cobertura de cerca de 500 pessoas. A ALM, por exemplo, tem contratos coletivos com a Prefeitura do Rio, com uma empresa ligada à Vale do Rio Doce e com a Associação de Servidores Civis e Militares do Brasil. Só uma apólice com o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) garante a cobertura a 8 mil funcionários do órgão. "Buscamos contato com empresas, sindicatos e até associações que queiram oferecer o benefício aos seus funcionários", explica Calheiros.

A ALM é uma das três empresas que atuam exclusivamente com microsseguros no país. A seguradora, que começou a operar em 2016, tem oito funcionários e atua em parceria com 118 corretores cadastrados no Rio, Minas Gerais e Espírito Santo. A Equatorial Seguradora S/A Microsseguros, que tem sede em Goiânia, também aposta nos contratos coletivos. Entre os clientes da empresa, estão caminheiros que transportam carga, com coberturas de acidentes, invalidez e morte na estrada. Como o caso citado no começo da reportagem.

SEGURO POR APLICATIVO DE CELULAR

A ideia é inverter a lógica do mercado e expandir a quantidade dos contratos individuais. No ano passado, a Susep aprovou a adesão aos microsseguros por meios remotos. Mas a iniciativa só vai ser colocada em prática pela ALM em novembro, com o lançamento de um aplicativo para celular que permite a adesão ao seguro inclusivo pela internet. Até o fim do ano, a seguradora também vai fazer uma campanha educacional na ponte Rio-Niterói em parceria com um plano funeral para tornar o microsseguro conhecido da população.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

O infográfico mostra os valores pagos por segurados a seguradoras para fazer seguro de pessoas ARTE KIKO
Com apenas R$ 50 por ano, é possível fazer um microsseguro. Se proposta apresentada aos presidenciáveis for aprovada, esse tipo de apólice deve crescer ainda mais em 2019 ARTE KIKO

Comentários