Champions League fica em risco com criação de novo torneio por grandes clubes
Champions League fica em risco com criação de novo torneio por grandes clubesAFP
Por O Dia
O futebol no mundo precisa ser repensado para atender à audiência global. Não há mais espaço para sonhadores, o consumidor do produto está cada vez mais exigente, quer espetáculos que reúnam qualidade e emoção. Quem antes se contentava com pouco, provou e gostou do melhor. A ideia dos que bolaram a Superliga é promover shows para a grande plateia espalhada pelo mundo que assiste a jogos para se divertir, sem roer as unhas dos pés, com direito a finais apoteóticas com shows, queima de fogos, como fazem no Super Bowl. Fifa, Uefa, federações nacionais foram sacudidas e essa foi a intenção: provocar o alvoroço para medir a reação, recuar para dar a tacada certa no momento exato forçando a adequação do futebol às exigências do mundo moderno, varrendo a mediocridade do cenário. Os que terão interesses feridos, entidades esportivas e veículos de comunicação, continuarão atirando, mas no fim cederão. Quem viver, verá.
LARGADOS E PELADOS
Publicidade
Para a América do Sul, as coisas deverão continuar na mesma. A elitização faz tempo nos atingiu. Estamos limitados às competições internas, nem as seleções escapam, jogam entre elas e em raras ocasiões com algum adversário europeu, quase sempre de segunda linha. Presos ao nosso calendário, Copa Libertadores, Copa Sul-Americana, Copa América e Eliminatórias para a Copa do Mundo, sem intercâmbio, discriminados pelos mais fortes.
PEDALADAS
Publicidade
Soteldo arrumando as malas para jogar no Toronto, do Canadá. Outros estão na mira, com dólar nas alturas, fica fácil convencê-los.
Hulk já começa ser cobrado pela torcida do Atlético-MG, que esperava mais do grandalhão.
Publicidade
Choque de tricolores no jogo do mau hálito. Fluminense e Madureira jogam hoje, às 11 da manhã.
Pássaro quer o Vasco voando alto. Tem lógica.
Publicidade
BOLA DENTRO
Com boa campanha, Volta Redonda e Portuguesa furaram as expectativas dos que apostavam em Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo nas semifinais do Carioca e querem mais.

Publicidade
BOLA FORA
O Brasileirão batendo na porta e o Corinthians não engrena. Empate com o River Plate, lanterna do Campeonato Paraguaio, foi dureza. A Fiel já está na dança da guerra.