Imagens mostram momento logo após tiroteio que matou Guarabu e comparsas

Cúpula do tráfico da Ilha morreu durante confronto com PMs do Choque

Por O Dia

Carro onde estava Guarabu e vários de seus comparsas
Carro onde estava Guarabu e vários de seus comparsas -
Rio - Um vídeo que circula na Internet mostra o momento logo após o confronto que resultou na morte da cúpula do tráfico de drogas do Morro do Dendê, na Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio (assista no vídeo mais abaixo). Na ocasião, no fim da madrugada desta quinta-feira, Fernando Gomes de Freitas, o Fernandinho Guarabu, de 40 anos, e dois de seus principais aliados, morreram durante um confronto com PMs do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq).
Nas imagens, é possível ver os policiais reunidos em volta dos carros onde estavam os criminosos, na Rua Rua Uruaçu; confira!
De acordo com a Polícia Militar, além de Garabu, o amigo de infância e braço direito do chefão do tráfico, Gilberto Coelho de Oliveira, o Gil; o homem apontado como seu sucessor, o ex-PM Antônio Eugênio de Souza Freitas, o Batoré; Paulo Cesar da Costa, o Piu; Tiago Farias Costa, o Logan; e um sexto suspeito ainda não identificado foram mortos na operação que a secretaria fez ontem.
Temendo represá-lias de comparsas dos traficantes na região, a PM informou que mantém, desde então, equipes do Comando de Operações Especiais (COE) e do 17º BPM (Ilha do Governador) no bairro. 
Nesta sexta, além do COE e do 17º BPM, também participam do reforço no policiamento agentes do 5º BPM (Praça da Harmonia), 6º BPM (Tijuca) e do 22º BPM (Maré).
O policiamento foi reforçado na Ilha após a morte de Guarabu - Ricardo Cassiano / Agência O DIA
MANDADOS DE BUSCA E APREENSÃO
A operação que acabou na morte de Garabu era para cumprir 34 mandados de busca e apreensão contra suspeitos de envolvimento com o traficante. O COE estava auxiliando a Corregedoria da Polícia Militar no cumprimento dos mandados, já que muitos dos alvos eram PMs corruptos. Algumas das buscas foram feitas dentro de batalhões da secretaria, como o da Ilha do Governador
Em janeiro deste ano, o DIA revelou com exclusividade que Guarabu possuía uma extensa rede de proteção, que incluía militares do 17º BPM. Pelo menos 15 agentes da unidade repassavam informações ao traficante. Por isso, ele era considerado praticamente intocável pelas autoridades da Segurança Pública do Rio.
Carro onde estava Guarabu e vários de seus comparsas - Ricardo Cassiano / Agencia O Dia
FUGA PARA A MARÉ
Após as mortes de Guarabu e de seus aliados, cerca de 30 traficantes da quadrilha fugiram para áreas do Complexo da Maré, também na Zona Norte. Eles se refugiaram nas comunidades Salsa e Merengue, Timbau e Vila Pinheiros, dominadas pela mesma facção, Terceiro Comando Puro (TCP).
A informação, ao qual o DIA teve acesso, foi repassada ao Disque Denúncia. O relato dizia que "homens fortemente armados com fuzis e granadas" chegaram nas comunidades por volta das 6h30 da manhã.
Os traficantes fizeram uma reunião, onde debateram ações como ataques a policiais e queima de ônibus. Os moradores das comunidades foram obrigados a ficar em suas residências.
Policiamento foi reforçado na Ilha após a morte de Guarabu - Ricardo Cassiano / Agência O Dia
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Carro onde estava Guarabu e vários de seus comparsas Ricardo Cassiano / Agencia O Dia
Policiamento foi reforçado na Ilha após a morte de Guarabu Ricardo Cassiano / Agência O Dia
O policiamento foi reforçado na Ilha após a morte de Guarabu Ricardo Cassiano / Agência O DIA
A morte da cúpula do tráfico do Morro do Dendê fez com que a comunidade da Ilha do Governador entrasse no relatório da PM como área instável. Há indefinição sobre quem assumirá as atividades criminosas. Na foto, carro onde morreu Fernandinho Guarabu. Ricardo Cassiano

Comentários