Titular da delegacia da Barra deixa distrital após operação contra milícia

Adriana Belém entregou o cargo depois da prisão do chefe de Investigação da delegacia que comandava, o inspetor Jorge Luiz Camillo Alves, seu braço-direito

Por RAI AQUINO

Então titular da 16ª DP, Belém deixou o comando da delegacia após prisão de seu braço-direito, o chefe de Investigação da distrital, o inspetor Jorge Luiz Camillo Alves, na operação Os Intocáveis II
Então titular da 16ª DP, Belém deixou o comando da delegacia após prisão de seu braço-direito, o chefe de Investigação da distrital, o inspetor Jorge Luiz Camillo Alves, na operação Os Intocáveis II -
Rio - A titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), a delegada Adriana Belém, deixou o cargo, após a operação Os Intocáveis II, realizada nesta quinta-feira, contra a milícia que age em Rio de Pedras e região, na Zona Oeste do Rio. Na ação, o chefe de Investigação da distrital, o inspetor Jorge Luiz Camillo Alves, foi preso acusado de envolvimento com o grupo para-militar. Ele era braço-direto de Belém.
De acordo com com o secretário de Polícia Civil, o delegado Marcus Vinícius Braga, a delegada pediu demissão. Quem vai assumir o seu lugar será Giniton Lages, que iniciou as investigações dos assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes.
"Eu aceitei a exoneração da Adriana Belém, uma delegada que eu respeito muito e tenho muita admiração. A decisão foi tomada para garantir a lisura das investigações conduzidas na unidade distrital", resumiu Braga.
NA BERLINDA
Além de Camillo, o inspetor Alex Fabiano Costa de Abreu foi outro policial da 16ª DP preso na operação de ontem, que capturou outras 31 pessoas. De acordo com o Ministério Público estadual (MPRJ), eles recebiam propina para deixar de combater as ações da milícia investigada.
Durante coletiva de imprensa realizada após a ação, o Corregedor da Polícia Civil, o delegado Glaudiston Galeano Lessa, cogitou o afastamento de Belém. A delegada não foi alvo da investigação do Ministério Público.
"Se houver algum indício da participação da titular da 16ª DP no curso da investigação penal, ela será afastada da titularidade. Mas, isso é uma decisão que cabe ao secretário, nomear e exonerar ela do cargo que ela exerce", o corregedor declarou, na ocasião.

Galeria de Fotos

Belém com o chefe de Investigação da delegacia da Barra, o Jorge Luiz Camillo Alves, preso na operação Os Intocáveis II Reprodução / Instagram
Belém com o chefe de Investigação da delegacia da Barra, o Jorge Luiz Camillo Alves, preso na operação Os Intocáveis II Reprodução / Instagram
Então titular da 16ª DP, Belém deixou o comando da delegacia após prisão de seu braço-direito, o chefe de Investigação da distrital, o inspetor Jorge Luiz Camillo Alves, na operação Os Intocáveis II Reprodução / Instagram
Delegada Adriana Belém Estefan Radovicz / Agência O Dia
'AMIGO DA 16'
A ligação do chefe de Investigação da 16ª DP com a milícia de Rio das Pedras era tão grande que ele era conhecido como o "Amigo da 16" pelos integrantes do grupo paramilitar. O policial foi flagrado em várias conversas com o PM reformado Ronnie Lessa, preso acusado de ser um dos assassinos da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes.
No perfil do Instagram da delegada, Camillo aparece em várias fotos ao lado da ex-titular da distrital. Em uma delas, a delegada escreveu "hoje tivemos uma pausa para um almocinho delícia com meu fiel escudeiro".
O DIA questionou à Polícia Civil se Belém será transferida para alguma outra delegacia ou ocupar algum cargo na secretaria. No entanto, a assessoria da corporação disse, em, nota, que por enquanto só tem as informações sobre a saída da delegada.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários