Ela desfila para estilistas como Alexandre Herchovitch, Vitorino Campos e Ronaldo Fraga, além de marcas como Animale, Farm e Osklen, e é o rosto da Maybelline no Brasil
Ela desfila para estilistas como Alexandre Herchovitch, Vitorino Campos e Ronaldo Fraga, além de marcas como Animale, Farm e Osklen, e é o rosto da Maybelline no BrasilDivulgação
Por Irma Lasmar
SÃO GONÇALO - A modelo gonçalense Mahany Pery, de 22 anos, é uma das estrelas da campanha de 2021 da Maison Chanel. Além das fotos para a grife, ela também participou do desfile que, devido à pandemia, aconteceu a céu aberto nas ruas de Paris, capital francesa onde mora há dois anos. Ex-garota-propaganda da Givenchy e Fenty, a moça cresceu no bairro Porto Novo, em uma realidade bem distante das marcas de luxo. A modelo é filha de camelô e a mais velha de seis irmãos. "Nós nos mudávamos frequentemente, sempre em casas humildes. Minha mãe dizia que os espaços eram pequenos para que a gente ficasse juntinho, até fisicamente", relembra.
Em 2016, aos 18 anos, foi apontada pela Vogue norte-americana como uma das modelos mais promissoras do Brasil - Divulgação
Em 2016, aos 18 anos, foi apontada pela Vogue norte-americana como uma das modelos mais promissoras do BrasilDivulgação
Publicidade
Mahany não sonhava com o mundo da moda até ganhar aos 16 anos uma sessão fotográfica com book de presente da mãe, e teve o total incentivo dos pais desde o início para fazer o curso de modelo. "Pesquisei referências de modelos negras e vi várias mulheres lindas, como Grace Jones e Naomi Campbell, minhas inspirações. Resolvi raspar o cabelo em 2014 e foi quando tudo mudou", conta ela que, logo após a transformação que lhe conferiu o perfil da coragem e da atitude, foi contratada por uma agência e começou a deslanchar no Brasil e fora dele. Entretanto, com 1,77 m de altura e peso na faixa dos 50 quilos, a modelo sofreu o preconceito do estereótipo criado em torno das mulheres negras. Esperam sempre que a gente tenha peitão e bunda grande”, diz a modelo. "Ser mulher, negra e brasileira já são grandes dificuldades. Sinto muito mais o preconceito velado. Tem que se cuidar bem da mente para não se deixar abalar".
Ex-garota-propaganda da Givenchy e Fenty, a moça cresceu no bairro Porto Novo, em uma realidade bem distante das marcas de luxo - Divulgação
Ex-garota-propaganda da Givenchy e Fenty, a moça cresceu no bairro Porto Novo, em uma realidade bem distante das marcas de luxoDivulgação
Publicidade
Estrelando o casting da agência 40 Graus Models, a gonçalense já foi capa do caderno Ela, no jornal O Globo, por mais de uma vez. Em 2015, foi recordista da São Paulo Fashion Week, quando desfilou por 14 marcas e foi capa da revista chilena ED no mesmo ano. Em 2016, aos 18 anos, foi capa da versão brasileira da revista Elle e ainda foi apontada pela Vogue norte-americana como uma das modelos mais promissoras do Brasil. Ela desfila para estilistas como Alexandre Herchovitch, Vitorino Campos e Ronaldo Fraga, além de marcas como Animale, Farm e Osklen, e é o rosto da Maybelline no Brasil. Em 2017, embarcou para Nova York aos 19 anos e deu a guinada para sua carreira internacional deslanchar. "Os profissionais da indústria da moda amam a energia das brasileiras! Eles sabem que se tiver uma brasileira no set, o trabalho do dia vai ser alegre. Por outro lado, sinto que não somos levadas tão a sério quanto as europeias", desabafa.
Após raspar o cabelo, a musa foi contratada por uma agência e começou a deslanchar no Brasil e fora dele - Divulgação
Após raspar o cabelo, a musa foi contratada por uma agência e começou a deslanchar no Brasil e fora deleDivulgação
Publicidade
Ela se orgulha de campanhas da marca Fenty Beauty ao lado da cantora Rihanna, a quem é só elogios. “Uma deusa! Trata todo mundo superbem. Algo incrível, que até hoje parece que não aconteceu de verdade”, suspira ela, que revela outro sonho, só que para o futuro: "Quero ser o rosto de uma campanha mundial de perfume, de uma marca bem incrível", revela ela, que não vê a hora de a pandemia terminar para visitar sua cidade natal. "Mal vejo a hora de voltar ao Brasil e passar a noite toda no pagode perto de casa”, exclama.
Além das fotos para a grife, ela também participou do desfile que, devido à pandemia, aconteceu a céu aberto nas ruas de Paris - Divulgação
Além das fotos para a grife, ela também participou do desfile que, devido à pandemia, aconteceu a céu aberto nas ruas de ParisDivulgação